31 de maio de 2009

A intolerância dos partidários do aborto!

No tocante ao post abaixo -- sobre a escandalosa decisão da reitoria da Universidade Notre Dame de conceder a Obama o título "Honoris Causa" em Direito, e de conceder-lhe o privilégio de proferir o discurso de abertura do ano letivo daquela instituição de ensino superior --, tratamos da arbitrária prisão de manifestantes anti-aborto, sobretudo da prisão o Padre Norman Weslin (foto acima e abaixo). Sacerdote católico, que, na avançada idade de 80 anos, foi brutalmente hostilizado, algemado e levado preso por ter cometido o "crime"... de manifestar sua opinião contra a matança de inocentes por meio do aborto.

Tal prisão está documentada num vídeo postado no YouTube e um benemérito teve o louvável trabalho de legendá-lo em português. Recebi por e-mail e aqui transcrevo o link, como convite para nossos leitores assistirem tal vídeo e recomendarem a seus amigos -- há certas coisas tão arbitrárias que precisamos ver para crer... Na terra da "liberdade de expressão" (direito considerado "sagrado" e garantido pela "Primeira Emenda da Constituição Americana") um sacerdote é preso por fazer uso desse direito, protestando contra o aborto.

É a intolerância dos partidários do aborto!

É o fanatismo abortista que amordaça aqueles que desejam proteger a vida do inocente por nascer!

É a completa inversão de valores: quem defende a moral (defendendo o "direito de nascer") é mandado para a prisão; quem defende a execução de inocentes (por meio do aborto) tem plena liberdade!


http://www.youtube.com/watch?v=FoRT3Rmpq_Q




25 de maio de 2009

ESCÂNDALO: Universidade Notre Dame homenageia Obama, apesar de sua política anti-família, oposta à moral católica


Paulo Roberto Campos
Fundada em 1842 e dirigida pela Congregação dos Padres Oblatos da Santa Cruz, Notre Dame é a mais importante Universidade Católica dos Estados Unidos. Situada em South Bend (Indiana), ela dispõe de um portentoso prédio gótico à beira de um lago – de onde seu nome original, Notre Dame du Lac (Nossa Senhora do Lago). Atualmente tem 11.600 alunos, a imensa maioria composta de católicos.
Como pode uma Universidade Católica homenagear alguém que seja um radical abortista, favorável ao "casamento" homossexual e às pesquisas com células-tronco-embrionárias? Como pode, por conseguinte, uma instituição católica homenagear alguém que afronta diretamente os imutáveis ensinamentos morais da Igreja Católica?

É inexplicável, mas lamentavelmente foi o que ocorreu no dia 17-5-2009! A direção da Universidade Notre Dame, por ocasião de sua 164ª cerimônia de graduação, concedeu a Barack Hussein Obama o honroso título de Doutor “Honoris Causa” em Direito — honraria entregue pelo próprio reitor, o padre John Jenkins! — e o privilégio de fazer o discurso de abertura do ano letivo.
Incompreensível, pois os princípios morais defendidos pela Igreja Católica são opostos aos professados pelo atual presidente americano. Uns e outros princípios, para usar uma espirituosa expressão francesa, "hurlent de se trouver ensemble" (urram por se encontrarem juntos). É uma aberração uma instituição católica homenagear um político que sempre atacou valores da moral católica, sobretudo em matéria de família. Ainda recentemente, Obama liberou vultosas verbas federais para organizações que promovem o aborto nos EUA e em outros países.


Muitas enérgicas reações:
>
Até o dia da cerimônia, 83 bispos americanos haviam protestado publicamente contra a decisão do reitor de homenagear Obama, tendo procurado demovê-lo de sua escandalosa decisão;

> Um abaixo-assinado com 365.000 firmas foi entregue à reitoria pedindo o cancelamento do convite a Obama;

> Alunos, ex-alunos e professores também fizeram idêntico pedido;

> Dez sacerdotes da Congregação da Santa Cruz (a mesma que fundou e dirige a Universidade de Nossa Senhora) lançaram uma carta aberta contrária à concessão do honroso título a Obama, pois suas medidas “atentam contra princípios morais fundamentais” (cfr. “Life Site”, 8-4-9);

> Milhares de norte-americanos contrários ao aborto protestaram, desfilando alternadamente junto à Universidade durante vários dias;

> Desde meados de abril, era comum ver homens, mulheres, estudantes, famílias inteiras — até com crianças — ajoelhados nas proximidades de Notre Dame, rezando em desagravo e pedindo que o convite ao mandatário americano fosse retirado.

A intolerância anti-católica e a perseguição
A polícia recebeu ordem de prender diversos manifestantes. Vários deles foram algemados e presos, até mesmo alguns religiosos. [fotos]


O fato mais clamoroso foi a prisão, no dia 15 de maio, de um idoso sacerdote católico, o Padre Norman Weslin [foto abaixo], quando este se aproximava do prédio de Notre Dame carregando uma cruz e cantando, com alguns fiéis, hinos religiosos. Eu não acreditaria se não tivesse assistido ao próprio vídeo do padre sendo algemado e levado como prisioneiro! Preso, apesar de sua avançada idade de 80 anos! (sim, OITENTA ANOS)... Preso na terra da liberdade de expressão... pelo “crime” de levantar a voz em defesa da vida dos nascituros inocentes! No dia do ato em homenagem a Obama — o triste 17 de maio —, o número de manifestantes nas imediações da Universidade engrossou bastante. Numerosos movimentos pró-vida, famílias e particulares fizeram protestos, todos pacíficos, antes da chegada de Obama e durante todo o tempo de sua permanência naquele recinto. Slogans eram bradados; faixas e cartazes contra o aborto e o pseudo-casamento entre homossexuais, como também contra o reitor — como “Judas e Jenkins traíram Jesus”, ou “A vergonha cai sobre Notre Dame” — eram vistos por todos os cantos. Alguns caminhões que ostentavam, à maneira de outdoors itinerantes, dizeres contra o aborto circularam pelas redondezas da Universidade. Um teco-teco [foto abaixo] sobrevoava a região com uma enorme foto de um bebê abortado. Ao longo da via de acesso à Universidade, formou-se uma gigantesca linha de manifestantes exibindo grandes anúncios anti-obama e anti-aborto. [fotos mais abaixo]



Junto ao portão principal da Universidade [foto abaixo] emoldurado pelos estandartes da TFP norte-americana, alguns membros desta carregavam um andor com a Imagem de Nossa Senhora de Fátima; outros, portando suas vistosas capas rubras, ostentavam faixas e distribuíam folhetos, ao som dos tambores e das gaitas de fole de sua fanfarra. [foto ao lado]

No campus da Universidade, onde há uma bela gruta de Nossa Senhora de Lourdes [foto abaixo], reuniram-se aproximadamente três mil pessoas, sob o lema “A verdadeira Notre Dame está comprometida com a santidade da vida”. Elas rezaram um Rosário e outras orações, em reparação a Nossa Senhora pelo ato que no auditório estava sendo realizado ali perto. Centenas de formandos recusaram-se a entrar no recinto onde se encontrava o mandatário americano. Diziam claramente que não poderiam participar de um ato de graduação, pois não queriam trair a identidade de Notre Dame que é católica. Muitos ex-alunos e entidades que contribuíam generosamente para o sustento da Universidade retiram suas contribuições — 14 milhões de dólares! — enquanto ela se mantiver sob a atual direção.


Várias dezenas de universitários ostentaram em seus uniformes, durante a cerimônia, desenhos de cruzes amarelas com pequeninos pés, simbolizando os bebês executados pelo aborto. [foto ao lado] Em sinal de protesto, eles permaneceram sentados tanto no momento de Obama receber o doutorado, quanto nas ocasiões em que outros se levantaram para aplaudi-lo. Durante o discurso presidencial, quatro manifestantes bradaram “deixem de matar bebês — o aborto é um assassinato”. Foram imediatamente postos para fora pela segurança do homenageado. [foto mais abaixo]

Belo gesto de renomada intelectual católica
Muito louvável foi o protesto da professora de Harvard Mary Ann Glendon [foto à esquerda], atual presidente da Pontifícia Academia de Ciências Sociais e ex-embaixadora dos Estados Unidos junto à Santa Sé. Ela renunciou a honrosa “Medalha Laetare”, que receberia de Notre Dame na própria cerimônia de homenagem a Obama. Glendon declarou que o convite ao presidente americano infringia uma clara determinação da Conferência Episcopal, de 2004, segundo a qual instituições educativas católicas não podem conferir honras a personalidades cujo comportamento atente contra princípios morais da Igreja. Entre estes princípios se encontra a recusa do aborto, contra o qual a ex-embaixadora lutou energicamente. (cfr. “Frankfurt Allgemeine Zeitung”, principal diário alemão, em 28-4-09).

O vergonhoso silêncio da mídia nacional
Nos Estados Unidos e Europa a mídia noticiou — embora de modo muito reduzido — essas grandes e contundentes manifestações. Mas... e a mídia no Brasil? Alguém viu tais notícias nos jornais brasileiros? Certamente não, pois nossa mídia fez silêncio. Calou-se vergonhosamente.

Para informar os leitores do “Blog da Família”, fiz uma ampla pesquisa à busca de notícias na imprensa nacional. Causou-me verdadeiro espanto. Praticamente nada! Por exemplo, comecei a busca nos dois maiores diários da capital paulista, a “Folha” e “O Estado de São Paulo”. Não publicaram nada. Em outros estados, alguns poucos jornais que noticiaram o evento de Notre Dame, não trataram dos protestos... Claro que se fossem protestos — ainda que insignificantes — contra a atitude de algum bom presidente que vetasse a lei do aborto, todos os grandes jornais publicariam enormes manchetes e suplementos especiais a respeito.

Então, como redigir uma notícia para este blog? Passar em branco esses espetaculares protestos e deixar nossos leitores desinformados? Como não encontrei as notícias na imprensa nacional, recorri a um amigo norte-americano, John Ritchie, que participou das manifestações de Notre Dame. Ele me enviou notícias e fotos, algumas das quais estão aqui postadas.

“Deus Salve a América”
A proposição de Obama durante sua campanha às eleições presidenciais foi: “Change” (mudança). De fato, os Estados Unidos mudaram — e muito — com Obama...

Mas, após os primeiros 100 dias do presidente americano, parece estar chegando ao fim sua “lua de mel” com a opinião pública. Em Notre Dame ocorreu o primeiro grande protesto contra Obama. Outros certamente virão, pois ele está determinado a tomar uma série de medidas contrárias aos valores morais. Além das acima referidas, ele tem outras em seu programa de governo. Por exemplo, deseja eliminar, por força de lei, o direito dos médicos e de seus auxiliares de, por questão de consciência, não realizar abortos. Ou seja, o médico fica obrigado a executar o bebê. Se não o fizer... rua.

Hoje mesmo (24-5-09 — dia em que escrevo este artigo) li no “O Estado de S. Paulo” uma matéria que me deixou estarrecido. Com chamada na 1ª página, a matéria de autoria Patrícia Campos Mello (correspondente do jornal em Washington) assevera: “O presidente dos EUA deve anunciar nos próximos dias seu indicado para uma das nove vagas da Suprema Corte do país — trata-se de uma das decisões mais importantes do mandato de um presidente — e ele deve escolher um juiz capaz de influenciar em decisões como o casamento homossexual...”.

Enquanto Obama promove sua “mudança” (ou seja, sua política anti-família), crescem as reações das famílias dispostas a defender energicamente os valores morais na sociedade americana.

Exemplo de tal disposição foram os milhares de protestos daqueles que não concordaram com a honraria concedida a Obama pela Universidade Notre Dame. Belo protesto! Bela reparação a Nossa Senhora! [foto da Imagem dourada na cúpula da Universidade] Belo exemplo para todos os brasileiros que lutam contra a desagregação da instituição familiar.

Se é verdade que a Universidade Notre Dame ficou manchada, também é verdade que os protestos constituíram uma coroa de glória para os Estados Unidos.

“God bless America!”
____________
PS: Aqueles que desejarem assistir a um vídeo com alguns dos mencionados protestos anti-obama e anti-aborto, click em:

http://www.youtube.com/user/tfpstudentaction







____________
[24-5-2009]
http://blogdafamiliacatolica.blogspot.com/

Criticas e/ou comentários, favor enviar e-mail para
prccampos@terra.com.br

ou escreva, clicando no item abaixo "comentários".
Grato.

21 de maio de 2009

Nunca se perde, sempre se lucra, por desconfiar do que é muito propalado pela mídia

Em vista do que temos postado em nosso blog a respeito do caso da menina G. de Alagoinha (PE), recebi um e-mail com artigo da Dra. Célia Paravato(*). Como não teve muita divulgação — claro que a grande imprensa abortista JAMAIS o publicaria —, transcrevo-o a seguir, pois coloca “pingos em muitos is”.

Lendo a crítica que a Dra. Célia faz à mídia, lembrei-me de um dito alemão que tinha anotado: "Er lügt wie eine Zeitung". Quando os alemães querem dizer que fulano é muito mentiroso, afirmam que fulano: “Mente como um jornal”...


A MENINA GRÁVIDA DE 9 ANOS E VOCÊ

Celia Paravato (*)


Cuidado com o que a mídia divulga. Muita coisa tem por objetivo confundir as pessoas para que se posicionem a favor de idéias ruins que não representam progressos para a humanidade.

O último escândalo é com relação ao aborto da menina de 9 anos que foi estuprada. Estão usando o caso desta menina para colocar as pessoas contra aqueles que são contra o aborto. Cá estamos nós, os católicos, novamente levando pedradas de todos os lados por conta do caso dessa menina. Será que merecemos mesmo?

Como engenheira eu gosto muito de uma continha simples: 2 + 2 = 4.
Sempre que me mostram alguma coisa que se assemelha a isso, eu aplaudo. Mas eu desconfio muito de coisas como “pague 2 e leve 4”. Será? A dúvida sempre me leva a bisbilhotar um pouco essa maravilhosa matemática que parece me oferecer grandes vantagens. E não poucas vezes eu vi que atrás da maravilhosa oferta estava uma grande armadilha para aqueles que não querem se dar ao trabalho de fazer contas ou se aprofundar um pouco mais em busca da verdade.

Bem, depois de ouvir várias pessoas absolutamente transtornadas com essa história, eu resolvi dar as minhas bisbilhotadas e venho aqui contar o resultado deste meu trabalho para você. Se você é daqueles que não se incomoda de cair no conto do “pague 2 e leve 4”, pode deletar este e-mail e passar para o seguinte. Mas se você não é, por favor, acompanhe-me.

Segundo os dados da Wikipédia (de 2000), a cidade da menina – Alagoinhas (no mapa do Pernambuco, em vermelho) – tem pouco mais de 13 000 pessoas. As condições de vida lá são “tão boas”, que a maioria dos habitantes parte para o além antes de completar 50 anos. Enquanto o Brasil ostentava envergonhado um índice de analfabetismo de 13,63%, aquela cidade, incrustada em um Pernambuco com 24% de analfabetos, carregava o ônus de ter 35% de seus habitantes....analfabetos. Dentre eles, os pais da menina e, quiçá, ela mesma.

Olhando pelo lado materialista de uma nação com quase 190 milhões de habitantes, que nos últimos 7 anos ganhou uma Bahia inteira em habitantes (dados do IBGE), o que a vida de uma menina de 9 anos, de Alagoinhas, significa? N-A-D-A. Ela nem vota ainda! Portanto só serve para lembrar às autoridades locais coisas básicas como a obrigação de ter que lhe oferecer escola, hospital, comida, saneamento, segurança... essas coisas todas que qualquer um que visite o nordeste está cansado de ver que não chegam, ou chegam muito precariamente, até uma cidade tão pequena. Lá, todo dia, deve morrer um bando de outras menininhas, de fome, de doenças que a gente já sabe curar e tratar muito bem, sem que nenhuma autoridade de lá, ou de fora, quanto mais de Brasília, dê a mínima bola.

Bem, então que motivação fez com que tantos “anjos da guarda” partissem em revoada da capital do Estado e até da Capital do País para defender e (dizem eles) arrancar das garras da morte certa tão pobre e desvalida vítima de nossa história com tão aguerrido empenho, embrenhando-se naqueles confins do mundo? Terá sido um bom coração? Terá sido caridade? Terá sido humanidade? Terá sido cidadania? Terá sido o juramento de Hipócrates?

Quem dera! Mas na verdade havia outra motivação. Uma lucrativa indústria de morte deseja instalar-se no nosso país e essa indústria, multinacional, riquíssima, pinçou o caso da garotinha para lançá-lo à mídia e assim causar grande comoção popular que lhe seja favorável a entrar com tudo em nossas terras, subvencionada pelo governo. A indústria do aborto.

Se você ainda não sabe, fique sabendo que o PT tem o compromisso formal, colocado por escrito no atual programa de governo, de aprovar o aborto em nossas terras. Para que isso ocorra, ele tem que derrubar as barreiras que vem encontrando. Ele tem que calar as vozes que protestam. Foi este compromisso que levou os “anjos da guarda” abortistas a Alagoinhas.

A estratégia da ação empreendida é clara: para calar quem é contra o aborto, vamos criar um clamor mais alto que abafe as vozes dos nossos adversários. Foi o que foi feito. A garota, o Bispo, são apenas peças usadas em uma grande jogada de marketing que está prosperando, porque a grande maioria das pessoas está presa no terreno das emoções, da pena da garotinha, e está desatenta às coisas que estão acontecendo em paralelo.

É preciso que você saiba que entre os que são contra o aborto – em todo o mundo ─ existem excelentes advogados, excelentes médicos e cientistas de primeira linha, que provam, pela ciência e pela lei, que todo ser humano tem direito à vida desde o momento em que é gerado na barriga de sua mãe até o momento de sua morte natural.

Os advogados mostram que as leis que o nosso país tem que obedecer ─ tratados internacionais e a nossa Constituição ─ asseguram direitos à criança já na barriga de sua mãe, como, por exemplo, o direito à herança. Se uma mulher grávida fica viúva, parte dos bens que estavam em nome de seu marido são, por lei, da criança que ela leva na barriga. Portanto, aquele cidadão brasileiro não nascido é um HERDEIRO. Logicamente que um HERDEIRO não deve ser assassinado por ninguém, independentemente de onde esteja (dentro ou fora da barriga de sua mãe), como QUALQUER cidadão brasileiro. Isso é lei, não é religião.

Os cientistas também mostram que os fetos sentem dor, guardam lembranças, riem e sonham na barriga de suas mães. A lógica mais elementar nos diz, claramente, que nunca fomos ou seremos um ser não humano. Somos, desde que os gametas de papai e mamãe se juntaram, um ser humano. De início, bem pequeno, mas já com todo o nosso código genético prontinho a desabrochar para o mundo. Primeiro, um ser humano em gestação, depois, um ser humano em desenvolvimento e, afinal, um ser humano em decadência, conforme o nosso ciclo vital, mas sempre um SER HUMANO. Isso é ciência, não é religião.

Logicamente, os seres humanos não nascidos não podem ser cortados, triturados, esmagados, cruelmente assassinados como se fossem um tumor. Pois não são uma parte má do corpo de suas mães, são uma outra pessoa que ali se instalou apenas por 9 meses. Uma pessoa que tem vários direitos, dentre os quais, o mais elementar é o direito à vida. Portanto, como pessoas, devem ser tratados com dignidade. E TODAS AS TÉCNICAS ABORTIVAS SÃO MONSTRUOSAS E INDIGNAS, bem mais monstruosas até do que um estupro. Porque de um estupro saímos vivos, mas de um aborto, não. Depois de um estupro coisas boas ainda podem suceder na vida da vítima. Depois de um aborto, a vítima talvez vá para o lixo, talvez seja queimada, ou talvez seja vendida, aos pedaços, a preços altíssimos para a indústria que vive do aborto.

Você duvida que vendam partes de fetos abortados para alguém? Então dê uma olhada na página
http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=ESTEVAO&id=deb0035
ou leia o livro “Cobaias Humanas – a história secreta do sofrimento provocado em nome da ciência” (Andrew Goliszek). Do original “in the name of Science” – Editora Ediouro Publicações S/A. Segundo uma lista publicada nesse livro, em 1999 os preços de várias partes variavam de 35 dólares (a medula espinhal) a quase 1000 dólares (um cérebro de menos de 8 semanas).

Porém, a voz mais forte contra o aborto, no mundo todo, não é a de excelentes advogados nem a de médicos e cientistas maravilhosos. A voz mais forte contra o aborto é a da Igreja Católica. Portanto, os que estão a favor do aborto fazem de tudo e até inventam mentiras para colocar o povo contra a Igreja Católica. Pois colocando a massa contra os católicos fica mais fácil aprovar o aborto no Brasil.

É aí que entra a pobre menina de Alagoinhas: a vítima perfeita para um grande golpe midiático construído a partir de uma grande mentira: a afirmação de que a menina de 9 anos, estuprada e grávida de gêmeos, NÃO TINHA OUTRA ESCOLHA senão fazer o aborto. Pretendem, com isso, fazer com que as pessoas acreditem que o aborto que ela fez foi muito certo e a que Igreja Católica é atrasada e está contra a menina. ISSO É MENTIRA!

Se você costuma usar a Internet, faça a seguinte experiência: Coloque no buscador Google a seguinte frase: “MENINA DEU À LUZ”. Você verá, com surpresa, que existem 4.950.000 resultados para essa pesquisa. Isso apenas em português. São notícias de casos parecidos de outras crianças que também engravidaram e, assistidas por médicos de verdade (e não aborteiros), tiveram seus filhos apesar de muito novas e despreparadas para isso.

Se você mudar a pesquisa para “MENIDA DE NOVE ANOS DEU À LUZ” verá que aparecem 565.000 resultados. Isso mostra que é mentira a tese de que a menina certamente iria morrer se levasse adiante a sua gravidez.

O que é certo, mesmo, é que ela ia precisar de ajuda, apoio médico, um acompanhamento especial. Assistência. O resto, é pura especulação.

A Igreja católica não é a favor do estupro, nem a favor do sofrimento de ninguém, mas tem a obrigação de defender a verdade. E a verdade é que uma pessoa que faz um aborto, LEGALMENTE viola a CONSTITUIÇÃO do Brasil e o tratado internacional chamado PACTO DE SÃO JOSÉ, que garantem a todo cidadão brasileiro o direito de viver e de ser BEM tratado PELO ESTADO quando ficar doente. E, CIENTÍFICAMENTE, assassina um ser humano em gestação.

Além disso, a fé cristã vê neste ato a violação ao quinto mandamento da lei de Deus: Não Matar. Os cristãos acreditam que quem mata alguém, dentro ou fora da barriga de sua mãe, comete, além de um crime, um pecado mortal e isso quer dizer que VAI PARA O INFERNO, se morrer nessa condição. Essa é a fé cristã. Essa é a lei que Deus deu a Moisés. A Igreja, com base na lei de Deus, deixou claro que esse pecado também acontece quando a pessoa ainda mora na barriga de sua mãe e por isso o CÓDIGO CANÔNICO estabelece que uma pessoa que CONSCIENTEMENTE faz o aborto, ou ajuda, incentiva, paga, etc... está automaticamente EXCOMUNGADA.

Há casos e casos, há exceções, há atenuantes que não comporta discutir aqui, mas o fato é que quando o Bispo pernambucano falou que as pessoas que levaram a menina ao aborto estavam excomungadas, ele não estava excomungando ninguém. Ele estava lembrando uma verdade de fé que JÁ HAVIA ACONTECIDO no momento em que as pessoas mataram as duas criancinhas não nascidas dentro daquela outra criancinha estuprada.

Ele podia ter ficado calado e estava todo mundo que concorreu, pressionou, financiou e fez o aborto excomungado do mesmo modo. Como estão todos os aborteiros que estão por aí, todos os maridos e amantes que já obrigaram as suas caras-metades a se desfazerem das suas barrigas indesejadas, e todas as mulheres que já jogaram seus filhos nas lixeiras hospitalares ou não pelos mais variados motivos fúteis.

Isso é religião. Isso é fé cristã. Por que a celeuma por causa da excomunhão? Qual o problema de nós, católicos, professarmos publicamente nossas crenças? Qual o problema de o Bispo declarar que A, B e C não mais pertencem à comunhão cristã? Acredita quem quiser e quem não quiser segue seu rumo.

É preciso ver que a religião, aqui, é apenas a cortina de fumaça bem usada para distorcer a verdade e nos enganar a todos. Católicos e não católicos.

Com toda essa onda, o que o governo Lula pretende é colocar a opinião pública a favor da aprovação de um projeto de lei que dá direto a qualquer mãe de fazer aborto sem justificativa, em qualquer estágio da gravidez, pelo SUS.

Em 07 de maio de 2008, o Projeto de Lei que tem o número 1135/91, foi derrotado por 33 votos contra zero, na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) da Câmara dos Deputados. Como se isso não bastasse, em 09 de julho de 2008 o mesmo projeto foi derrotado por 57 votos contra 4 na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC), apesar de todo o esforço do deputado José Genoíno (PT-SP) de impedir a votação. O Projeto de Lei, porém, não foi ainda arquivado, pois em 13/08/2008 Genoíno apresentou ao presidente da Câmara o Recurso 0201/08, solicitando que o projeto abortista fosse apreciado pelo plenário da Câmara.

62 deputados assinaram o recurso do Deputado Genoíno. A grande maioria, desses deputados (49,20 %), é do PT. Pelo Estado do Rio de Janeiro assinaram: Jorge Bittar - PT; Carlos Santana – PT; Edmilson Valentim – PcdoB; Chico Alencar – PSOL e Brizola Neto – PDT.

É AÍ QUE MORA O PERIGO, nesse julgamento, que está prestes a ocorrer. Se o Brasil não se levanta e clama CONTRA uma monstruosidade dessas, ela vai passar. Porque há muito dinheiro envolvido no assunto.

INTERESSA À INDÚSTRIA ABORTISTA QUE A IGREJA ESTEJA DIVIDIA E A OPINIÃO PÚBLICA TRANSTORNADA, PARA QUE SE PENSE QUE A DESCRIMINAÇÃO DO ABORTO NO BRASIL É UM BEM PARA TODOS OS BRASILEIROS.

MAS A VERDADE, PELA QUAL A IGREJA, ADVOGADOS MÉDICOS E TODOS OS QUE TÊM AMOR À VIDA BRADAM É QUE TODO CIDADÃO BRASILEIRO TEM DIREITO À VIDA.

É DEVER DO ESTADO cuidar para que não haja violência nas ruas ou violência doméstica e para que as pessoas tenham UMA BOA assistência médica, financeira e psicológica sempre que sejam vítimas de atos violentos.

Defender o aborto é querer fugir dessa obrigação, pelo extermínio, puro e simples, de mais um brasileiro que possa exigir isso.

O aborto não é solução de nada. O aborto é crime. O aborto é violência. O aborto é morte. Todo ser humano tem direto à vida. É o mais básico de todos os direitos. Temos que exigir isso, assim como temos que exigir uma assistência médica de boa qualidade, escola, emprego, etc.... É o que a nossa lei nos garante. Essa é a verdade.

O governo brasileiro TEM QUE ENTENDER QUE NÓS TEMOS DIREITO DE VIVER BEM. Todos nós. Nascidos e não nascidos, válidos, inválidos, jovens e velhos. Quanto mais não seja, porque nós pagamos os impostos mais altos do mundo. O mínimo que o governo tem que nos dar, em retribuição, é o direito à vida.

__________
(*) Celia Paravato (54) é Engenheira Eletrônica formada pela UFRJ, pós-graduada em finanças pelo IBMEC, servidora aposentada do Banco Central do Brasil, mãe de 3 filhos, e pertence à “Associação de Maria Imaculada”.

14 de maio de 2009

No caso da menina de Alagoinha, a Igreja atuou como advogada, e não como tirana — como a mídia tentou apresentar

Após a “trégua em homenagem ao Dia das Mães”, retomamos nossa batalha em defesa dos valores familiares tão bombardeados pela “ditadura do relativismo”. Nosso desejo é colocar ao alcance dos pais e mães de família as “armas” (psy armas, leia-se argumentos, dentro de uma “guerra psicológica”) para o “bom combate” pela família e pela sadia formação dos filhos.

Com efeito, em meu artigo intitulado “‘Estrondo publicitário’ para denegrir a Igreja e favorecer a legalização do aborto no Brasil” (tratando dos ataques da mídia esquerdista, contra a posição da Igreja, no caso do duplo aborto da pequena G.M.B.S. de Alagoinha), prometi postar outras matérias justificando a posição da Igreja, que agiu como advogada da menina e dos dois bebes executados. São matérias que não foram divulgadas pela grande mídia — esta cedeu suas páginas apenas para um dos lados naquela controvérsia e procurou impor à opinião pública uma visão preconcebida e, desse modo, jogá-la contra a moral católica.

Assim, para se ter uma compreensão do que realmente se passou, sem as escamoteações da mídia, é de grande valia o artigo do cientista político pela UnB (Universidade de Brasília), Frederico R. de Abranches Viotti, publicado na revista Catolicismo (edição de abril/2009).

Desejando aos “visitantes” deste Blog uma boa leitura, transcrevo o referido artigo e alguns documentos reveladores que bem elucidam o affaire-Alagoinha:

Olinda – Catedral da sé


Em Recife, tentativa de quebrar a barreira psicológica contra o aborto

Frederico R. de Abranches Viotti

Em todas as recentes pesquisas de opinião, os brasileiros têm se manifestado majoritariamente contrários ao assassinato de crianças no seio materno. Algumas pesquisas chegaram a dar 90% de respostas contrárias ao aborto.

Diante desse fato, os defensores do aborto estavam com poucas possibilidades de conseguir a aprovação legal desse ato, considerado crime pela lei dos homens e abominável pela Lei de Deus, estando incluído pelo Catecismo Romano entre os que “bradam aos Céus e clamam a Deus por vingança”.

Todavia, um acontecimento recente — com grande carga emocional — fez com que o debate sobre o aborto fosse reaberto.

O caso
Foi amplamente noticiado pela imprensa nacional e internacional o caso ocorrido em Alagoinha e Recife (PE), onde uma menor de nove anos de idade, violentada por seu padrasto, ficou grávida de gêmeos. Os meios de comunicação não deram ao caso uma cobertura jornalística isenta, limitando-se a explorar a situação emocional que dela decorreu.

Após a realização do aborto na menor, os jornais começaram a divulgar que S. Exa. Revma., o Arcebispo de Recife D. José Cardoso Sobrinho, tinha excomungado a mãe da menina e os médicos que participaram do aborto. Surgiram opiniões contraditórias, até mesmo entre o clero no Brasil e no próprio Vaticano, sobre o cabimento ou não da penalidade de excomunhão.
Na realidade, D. José Cardoso Sobrinho apenas tinha alertado sobre a pena de excomunhão prevista no Código de Direito Canônico (a lei da Igreja) antes de o aborto ter sido praticado. Ele concedeu essa entrevista no dia 3 de março, sendo que o aborto foi realizado no dia 4 (Vide, mais abaixo, o relato intitulado “Grávida de gêmeos”).

A lei da Igreja prevê, em seu cânon 1398: “Quem provoca o aborto, seguindo-se o efeito, incorre em excomunhão latae sententiae”, ou seja, quem participa do aborto incorre em pena automática (sem necessidade de ser decretada) de excomunhão.

Mas a confusão do noticiário não ficou apenas nisso. Muitos detalhes foram deliberadamente omitidos para favorecer a posição pró-aborto, como se existissem “abortos bons” e “abortos ruins”. A título de exemplo, podemos citar alguns dos fatos omitidos:


•1. a menor foi subtraída de um hospital que se
negara a realizar o aborto, e transferida para outro favorável a essa
prática;
•2. a mãe da menor era contra o aborto, até lhe terem
inculcado que sua filha morreria, caso não abortasse;
•3. o aborto foi
praticado às pressas, sem que o pai biológico da menina pudesse
intervir;
•4. feministas fizeram um verdadeiro cerco à criança,
impedindo até mesmo a assistência espiritual que vinha sendo prestada pelo padre
da cidade de Alagoinha...

Seria muito longo enumerar a lista de atos suspeitos que cercam o caso. Para isso, remetemos ao relatório apresentado pelo Pe. Edson Rodrigues, pároco de Alogoinha (PE), onde residia a menor violentada. (Vide transcrição, mais abaixo, intitulada “Excertos da Nota da Arquidiocese
de Olinda e Recife”)

Ademais, é também importante noticiar que, na mesma época em que se deu o aborto na cidade de Recife, outra menor, também de nove anos, dava à luz uma criança no Equador. Há algumas décadas, Lina Medina, uma peruana que ainda vive, foi mãe aos cinco anos de idade, conforme notícia do “Correio Braziliense” em 11-9-02 (http://www2.correioweb.com.br/cw/EDICAO_20020911/vid_mat_110902_36.htm).
Devido a esses fatos, o Pe. Edson Rodrigues está convencido tratar-se de “ato de manipulação da consciência”.

Verdadeira manobra de “guerra psicológica”
Foi desencadeada uma enorme manobra de “guerra psicológica”, sob o pretexto de defender a vida da menina contra o “obscurantismo” da Igreja. Até o presidente da República manifestou-se contra a doutrina católica.


O quadro criado pelo noticiário de certa mídia era tendencioso. De um lado a Igreja, representada por D. José Cardoso Sobrinho, bispo destituído de misericórdia, que não se importaria com a vida da menina violentada; de outro, feministas, abortistas, ateus e diversos outros segmentos propugnavam uma moral relativista, a pretexto de salvar a vida da criança de nove anos.

Dessa maneira, o aborto não era apresentado em seu lado desumano, que é o assassinato de seres indefesos, mas como uma defesa da vida da menor violentada. Estava montado um verdadeiro circo de desinformação e sensacionalismo, que obviamente servia a um único propósito: favorecer a prática do aborto e dividir a opinião católica.

Não foi sem razão que Nosso Senhor Jesus Cristo advertiu: “Vigiai e orai para não cairdes em tentação”. Sem essa cautela, um católico pode acabar influenciado pela mídia e, de forma sub-reptícia, opor-se à doutrina moral da Igreja quanto ao tema do aborto.

E-mail do autor: fredericoviotti@catolicismo.com.br

_____________

Grávida de gêmeos em Alagoinha (PE)
O lado que a imprensa deixou de contar



Excertos do relatório elaborado pelo Pe. Edson Rodrigues, pároco de Alagoinha (PE), redigido anteriormente à Nota da Arquidiocese de Olinda e Recife, mas que serve como complemento dela, ao apresentar uma visão objetiva e integral do ocorrido


No dia 25 de fevereiro, nossa cidade foi tomada de surpresa por uma trágica notícia de um acontecimento que chocou o País: uma menina de nove anos de idade, tendo sofrido violência sexual por parte de seu padrasto, engravidou de dois gêmeos. [...]

O Conselho Tutelar de Alagoinha tomou as devidas providências. Na sexta-feira, dia 27 de fevereiro, levou as crianças ao IML de Caruaru-PE e depois ao IMIP (Instituto Médico Infantil de Pernambuco), de Recife, a fim de serem submetidas a exames. Chegando ao IMIP, em contato com a assistente social Karolina Rodrigues, a conselheira tutelar Maria José Gomes foi convidada a assinar um termo, em nome do Conselho Tutelar, que autorizava o aborto. Frente à sua consciência cristã, a conselheira negou-se diante da assistente a cometer tal ato. Foi então quando recebeu das mãos da assistente Karolina um pedido escrito que solicitava um “encaminhamento ao Conselho Tutelar de Alagoinha” [...] Os cinco conselheiros enviaram ao IMIP um parecer contrário ao aborto. [...]

No sábado, dia 28, fui convidado a acompanhar o Conselho Tutelar até o IMIP em Recife, onde, junto com a conselheira Maria José Gomes e mais dois membros de nossa paróquia, fomos visitar a menina e sua mãe. Chegamos ao IMIP por volta das 15 horas. Subimos ao 4º andar, onde estavam a menina e sua mãe em apartamento isolado. O acesso ao apartamento era restrito, necessitando de autorização especial. [...]

Com a proibição de acesso ao apartamento onde a menina estava, me encontrei com a mãe da criança ali mesmo no corredor. Profunda e visivelmente abalada com o fato, expôs para mim que tinha assinado “alguns papéis por lá”. A mãe é analfabeta e não assina sequer o nome, tendo sido chamada a pôr as suas impressões digitais nos citados documentos.

Perguntei a ela sobre o seu pensamento a respeito do aborto. Valendo-se de um sentimento materno marcado por preocupação extrema com a filha, ela me disse da sua posição desfavorável à realização do aborto. [...] Saímos do IMIP com a firme convicção de que a mãe da menina se mostrava totalmente desfavorável ao aborto dos seus netos.

Na segunda-feira, retornamos ao hospital. Ao chegarmos, eu e mais dois conselheiros tutelares, fomos autorizados a subir ao 4º andar, onde estava a menina. Tomamos o elevador, e quando chegamos ao 1º andar, um funcionário do IMIP interrompeu nossa subida e pediu que deixássemos o elevador e fôssemos à sala da assistente social em outro prédio. Chegando lá, fomos recebidos por uma jovem assistente social chamada Karolina Rodrigues. Entramos em sua sala eu, Maria José Gomes e Hélio, conselheiros de Alagoinha, Jeanne Oliveira, conselheira de Recife, e o pai [biológico] da menina, o Sr. Erivaldo, que foi conosco para visitar a sua filha, com uma posição totalmente contrária à realização do aborto dos seus netos. [...]

Perguntamos sobre a situação da menina como estava. Ela nos afirmou que tudo já estava resolvido e que, com base no consentimento assinado pela mãe da criança em prol do aborto, os procedimentos médicos deveriam ser tomados pelo IMIP dentro de poucos dias. Sem compreender bem do que se tratava, questionei a assistente no sentido de encontrar bases legais e fundamentos para isto. Ela, embora não sendo médica, nos apresentou um quadro clínico da criança bastante difícil, segundo ela, com base em pareceres médicos, ainda que nada nos tivesse sido apresentado por escrito.

Justificou-se com base em leis e disse que se tratava de salvar apenas uma criança, quando rebatemos a idéia alegando que se tratava de três vidas. Ela, desconsiderando totalmente a vida dos fetos, chegou a chamá-los de “embriões” e que aquilo teria que ser retirado para salvar a vida da criança. Até então ela não sabia que o pai da criança estava ali sentado ao seu lado.

Quando o apresentamos, ela perguntou ao pai, o Sr. Erivaldo, se ele queria falar com ela. Ele assim aceitou. Então a assistente nos pediu que saíssemos todos de sua sala e os deixassem a sós para essa conversa. Depois de cerca de vinte e cinco minutos, saíram os dois da sala para que o pai pudesse visitar a sua filha. No caminho entre a sala da assistente e o prédio onde estava o apartamento da menina, conversei com o pai e ele me afirmou que sua idéia desfavorável ao aborto agora seria diferente, porque “a moça me disse que minha filha vai morrer e, se é de ela morrer, é melhor tirar as crianças”; afirmou o pai quase que em surdina para mim, uma vez que, a partir da saída da sala, a assistente fez de tudo para que não nos aproximássemos do pai e conversássemos com ele. Ela subiu ao 4º andar sozinha com ele e pediu que eu e os conselheiros esperássemos no térreo. Passou-se um bom tempo. Eles desceram e retornamos à sala da assistente social. O silêncio de que havia algo estranho no ar me incomodava bastante. Desta vez não tive acesso à sala.

Porém, em conversa com os conselheiros e o pai, a assistente social Karolina Rodrigues reclamou da conselheira [Maria José Gomes], porque esta tinha me permitido ver a folha de papel na qual ela [Karolina] solicitara o parecer do Conselho Tutelar de Alagoinha; [e como este negou o aborto, ela] rasgou a folha na frente dos conselheiros e do pai da menina. [...]

Durante todo o tempo de permanência no IMIP, não tivemos contato com nenhum médico. Tudo o que sabíamos a respeito do quadro da menina era apenas fruto de informações fornecidas pela assistente social. [...]

Dada a repercussão do fato, surge um novo capítulo na história. O Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife, Dom José Cardoso, e o bispo de nossa Diocese de Pesqueira, Dom Francisco Biasin, sentiram-se impelidos a rever o fato, dada a forma como ele se fez. Dom José Cardoso convocou, portanto, uma equipe de médicos, advogados, psicólogos, juristas e profissionais ligados ao caso para estudar a legalidade ou não de tudo o que havia acontecido. Nessa reunião estava presente o Sr. Antonio Figueiras, diretor do IMIP que, constatando o abuso das atitudes da assistente social frente a nós, e especialmente com o pai, ligou ao hospital e mandou que fosse suspensa toda e qualquer iniciativa que favorecesse o aborto das crianças. E assim se fez. [...]

Já a caminho da residência do Arcebispo, por volta das cinco e meia da tarde, Dom José Cardoso recebeu um telefonema do Diretor do IMIP no qual ele lhe comunicava que um grupo de uma entidade chamada Curumins, de mentalidade feminista pró-aborto, acompanhada de dois técnicos da Secretaria de Saúde de Pernambuco, teriam ido ao IMIP e convencido a mãe a assinar um pedido de transferência da criança para outro hospital, o que a mãe teria aceito. [...]
O que teriam dito as militantes do Curumim à mãe, para que ela mudasse de opinião? Seria semelhante ao que foi feito com o pai? [...] Convocamos órgãos de imprensa para fazer uma denúncia, frente ao apelo do pai que queria saber onde estava a sua filha.

Na manhã da quarta-feira, dia 4 de março, ficamos sabendo que a criança estava internada na CISAM. [...] Lá, por volta das 9 horas da manhã, nosso sonho de ver duas crianças vivas se foi, a partir de ato de manipulação da consciência, extrema negligência e desrespeito à vida humana.

Isto foi relatado para que se tenha clareza quanto aos fatos como verdadeiramente eles aconteceram.


Pe. Edson Rodrigues
Pároco de Alagoinha (PE)
padreedson@hotmail.com


Fonte: (http://www.salvemaria.org.br/index.php?system=news&news_id=610&action=read)
_____________




Excertos da Nota da Arquidiocese
de Olinda e Recife (*)

Personalidades de Recife e da cidade de Pesqueira (PB) emitiram nota clara e incisiva refutando o artigo “Da parte da menina brasileira”, de autoria do Mons. Rino Fisichella, presidente da Pontifícia Academia pela Vida, publicado no “Osservatore Romano”.


A respeito do artigo intitulado “Dalla parte della bambina brasiliana” (fac-símile acima), publicado no “L’Osservatore Romano”, edição de 15 de março, nós, abaixo assinados, declaramos: [...]

2. Todos nós — a começar pelo pároco de Alagoinha (abaixo assinado) — tratamos a menina grávida e sua família com toda caridade e doçura. O Pároco, fazendo uso de sua solicitude pastoral, ao saber da notícia em sua residência, dirigiu-se de imediato à casa da família, onde se encontrou com a criança para lhe prestar apoio e acompanhamento [...]. E esta atitude se deu durante todos os dias, desde Alagoinha até Recife, onde aconteceu o triste desfecho do aborto de dois inocentes. Portanto, fica evidente e inequívoco que ninguém pensou em primeiro lugar em “excomunhão”. Usamos todos os meios ao nosso alcance para evitar o aborto e assim salvar as TRÊS vidas. [...]

3. Depois que a menina foi transferida para um hospital da cidade do Recife, tentamos usar todos os meios legais para evitar o aborto. A Igreja em momento algum se fez omissa no hospital. O Pároco da menina realizou visitas diárias ao hospital, deslocando-se da cidade que dista 230 km de Recife. [...]

4. Nossa Santa Igreja continua a proclamar que a lei moral é claríssima: nunca é lícito eliminar a vida de um inocente para salvar outra vida. Os fatos objetivos são estes: há médicos que explicitamente declaram que praticam e continuarão a praticar o aborto, enquanto outros declaram com a mesma firmeza que jamais praticarão o aborto. [...]

5. É falsa a afirmação de que o fato foi divulgado nos jornais somente porque o Arcebispo de Olinda e Recife se apressou em declarar a excomunhão. Basta ver que o caso veio a público em Alagoinha na quarta-feira, dia 25 de fevereiro, o Arcebispo se pronunciou na imprensa no dia 3 de março e o aborto se deu no dia 4 de março. [...] Assim sendo, a notícia da menina grávida já estava divulgada nos jornais antes da consumação do aborto. Somente então, interrogado pelos jornalistas, no dia 3 de março (terça-feira) o Arcebispo mencionou o cânon 1398. Estamos convictos de que a divulgação desta penalidade medicinal (a excomunhão) fará bem a muitos católicos, levando-os a evitar este pecado gravíssimo. [...]

6. O hospital que realizou o aborto na menininha é um dos que sempre realizam este procedimento em nosso Estado, sob o manto da “legalidade”. Os médicos que atuaram como carrascos dos gêmeos declararam e continuam declarando na mídia nacional que fizeram o que já estavam acostumados a fazer “com muito orgulho”.


7. O autor [do artigo publicado no jornal L’OSSERVATORE ROMANO — foto ao lado] arvorou-se do direito de falar sobre o que não conhecia, e o que é pior, sequer deu-se ao trabalho de conversar anteriormente com o seu irmão no episcopado, e por esta atitude imprudente está causando verdadeiro tumulto junto aos fiéis católicos do Brasil. Ao invés de consultar o seu irmão no episcopado, preferiu acreditar na nossa imprensa declaradamente anticlerical.


Recife-PE, 16 de março de 2009
Pe. Edson Rodrigues
Pároco de Alagoinha-PE - Diocese de Pesqueira
Mons. Edvaldo Bezerra da Silva
Vigário Geral - Arquidiocese de Olinda e Recife
Pe. Moisés Ferreira de Lima
Reitor do Seminário Arquidiocesano
Dr. Márcio Miranda
Advogado da Arquidiocese de Olinda e Recife
(
http://www.arquidioceseolindarecife.org.br/notaoficial.htm)


* Para ler a íntegra click nas imagens que seguem:

9 de maio de 2009

“A quintessência inefável de todas as mães que houve, que há e que haverá”

Neste dia das mães, suplico à Virgem Santíssima — Mãe e Modelo por excelência de todas as mães — que as abençoe e ampare muito maternalmente em todas as circunstâncias, especialmente nas dificuldades que por ventura encontrem na vida familiar.

Como homenagem do “Blog da Família” a todas a mães, transcrevo abaixo um belo trecho de um artigo do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira (1908–1995), publicado na “Folha de S. Paulo” em 13-9-1980:
“A Santíssima Virgem representa a quintessência inefável, a síntese amplíssima de todas as mães que houve, que há e que haverá.

De todas as virtudes maternas que a inteligência e o coração do homem possam conhecer.

Mais ainda: daqueles graus de virtude que só os santos sabem excogitar, e das quais só eles sabem aproximar-se,voando nas asas da graça e do heroísmo.

É a mãe de todos os filhos e de todas as mães. É a mãe de todos os homens.

É a mãe do Homem. Sim, do Homem-Deus, do Deus que se fez Homem no seio virginal dessa Mãe, para resgatar todos os homens.

É uma Mãe que se define por uma palavra – o mar - a qual, por sua vez, dá origem a um nome. Nome que é um céu: Maria”.

Plinio Corrêa de Oliveira
Numa paisagem bucólica, a pintura representa uma mãe e seus filhos junto a um oratório de Nossa Senhora. A jovem mãe ensina seus pequenos a rezar. A criança sentada no degrau do oratório ensaia fazer o sinal da cruz; a outra parece estar meio reticente aos ensinamentos; enquanto que a menorzinha parece querer brincar com o Menino Jesus nos braços da Santíssima Virgem.

Uma encantadora cena de outrora, bem diversa de certas cenas modernas nas quais nos lugares dos oratórios há televisões, que arruinam a vida familiar.

8 de maio de 2009

CANCELADO: Reunião da Comissão do Senado que votaria a “lei da homofobia”

No post de ontem (logo abaixo), pedíamos o protesto dos Amigos contra o projeto de lei 122/2006 (a dita “lei da homofobia”), que criminalizaria aqueles que são contrários ao homossexualismo e que, ao mesmo tempo, concederia privilégios aos homossexuais — um absurdo, pois seria uma lei concedendo direitos ao vício! Portanto, uma aberração jurídica!

Certamente os Senhores Senadores receberam muitíssimas mensagens de protesto e pedidos para que suas excelências votassem, na reunião marcada para ontem (6-5-09), pela rejeição total do repugnante projeto — aliás, inconstitucional.

Verifiquei no site do Senado Federal, e eis que, “mirabile dictu”, a reunião foi CAN-CE-LA-DA.

Veja abaixo, como está registrado no site do Senado:

Identificação da Matéria
PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 122 DE 2006
____________________________________

06/05/2009 CAS - Comissão de Assuntos Sociais

Situação: PRONTA PARA A PAUTA NA COMISSÃO
Ação: Por determinação da Presidência, a pauta deliberativa da 13ª Reunião da Comissão foi cancelada.

____________________________________

Aqueles que desejarem conferir a pauta, click em :
http://legis.senado.gov.br/mate/servlet/PDFMateServlet?s=http://www.senado.gov.br/sf/atividade/Materia/MateFO.xsl&o=ASC&m=79604


Isto não importa em dizer que a votação do tal PL esteja cancelada, mas apenas adiada. De modo que todo cuidado é pouco. Estejamos “de olho”! Sempre alertas, pois, do contrário, “às caladas” de outras noites poderemos ser pegos de surpresa com o anuncio de que o PL entrou em pauta para votação.

Continuemos pressionando. Não podemos dar trégua às suas excelências enquanto não arquivarem definitivamente a “lei do homofobia” e a coloquem no devido lugar: A LATA DE LIXO.
_______
Fonte: http://blogdafamiliacatolica.blogspot.com/

6 de maio de 2009

Atenção Senhores Senadores: "De Deus não se zomba" (Gal. 6,7)


Pintura: A destruição de Sodoma
"Deus vivo e verdadeiro que destruiu Sodoma e Gomorra por causa desse pecado" [homossexualismo] (Gen. 18-19).


Diletos Amigos

Realmente há senadores que não honram nosso País. Aqueles que querem -- na calada da noite -- aprovar um projeto de lei que é um verdadeiro atentado contra a família normalmente constituida: o PLC 122/2006. Um absurdo que criminaliza quem é normal e protege quem pratica o vício. Pior que um vício: uma aberração contra a natureza, ou seja, o homossexualismo! O Senado Federal já se encontra desprestigiado por tanta corrupção, mas se os senadores aprovarem tal ignóbil projeto vão emporcalhar ainda mais o Senado -- uma instituição que deveria ser ponto de referência de moralidade.

O referido projeto de lei pretende conceder privilégios a quem for homossexual !!! E considera criminoso quem, por exemplo, manifestar sua opinião contrária aos atos homossexuais !!! Uma mãe de família que dispense a babá de seus filhos, ao descobrir que ela é lésbica, poderá ser incriminada !!!


Ou quem -- para dar mais um exemplo -- apenas repita o que está na Bíblia:
“Aquele que pecar com um homem, como se ele fosse uma mulher, ambos cometeram uma coisa execranda, sejam punidos de morte; o seu sangue caia sobre eles” (Lev. 20, 13)

Ou simplesmente repita o que escreveu o Apóstolo São Paulo:


“Porque as suas próprias mulheres mudaram o uso natural, em outro uso, que é contra a natureza. E do mesmo modo, também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam nos desejos mutuamente, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em si mesmos a paga que era devida ao seu desregramento. E, como não procuram conhecer a Deus, Deus abandonou-os a um sentimento depravado,
para que fizessem o que não convém, cheios de toda iniqüidade, malícia e fornicação”
(I Rom., 26 e ss.).

‘Não vos enganeis: Nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem maldizentes, nem os que se dão à embriaguez, nem salteadores possuirão o Reino de Deus’ (1 Cor. 6, 9-10)” (Nº 81).
* * *
Por que estou reafirmando isso? Porque há pouco recebi um e-mail do Padre Lodi (do movimento "Pró-Vida de Anápolis", http://www.providaanapolis.org.br/ ) com um assunto, muito urgente, para o qual peço a atenção -- E O PROTESTO -- de nossos leitores.


Eis o e-mail do Revmo. Padre Lodi:

Na quarta-feira, dia 6 de maio de 2009, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal poderá votar e aprovar uma proposta legislativa que glorifica o homossexualismo e instaura a perseguição religiosa no país.

Trata-se do PLC 122/2006, que pretende considerar crime a oposição ao homossexualismo, sob o nome de "homofobia". A proposta já esteve para ser posta em pauta várias vezes, mas foi retirada estrategicamente.

A relatora senadora Fátima Cleide (PT/RO) emitiu o parecer favorável. O PLC 122/2006 será o item n. 13 da pauta da CAS do dia 6 de maio.
Clique aqui e veja a pauta do dia

1. MANIFESTE-SE USANDO O "ALÔ SENADO"

O procedimento é simples e gratuito. Primeiro, tenha em mãos o número de seu CEP. Depois disque gratuitamente 0800 612211 A telefonista do "Alô Senado" atenderá perguntando o seu nome. Perguntará se é a primeira vez que você liga para o "Alô Senado". Depois, ela perguntará o número do seu CEP, a fim de fazer sua ficha, para novas ligações. Feita sua ficha, ela anotará sua mensagem, que pode ser, por exemplo:

"Quero que os senadores votem pela rejeição total do PLC 122/2006, que cria privilégios para o homossexualismo e instaura a perseguição religiosa no país."

Depois de ter anotado com atenção sua mensagem, a telefonista perguntará a quem você quer enviar a mensagem.

Você pode responder: a todos os senadores do meu Estado.

E ainda poderá acrescentar:
"Quero que os senadores de meu Estado usem a tribuna para protestar contra o PLC 122/2006"

É fácil e é grátis. Ligue e ensine outros a ligar. Coragem!

2. MANIFESTE-SE USANDO O SITE DO SENADO FEDERAL

Você pode também ir até o SITE do Senado para se manifestar.
Navegue até
http://legis.senado.gov.br/sil-pdf/Comissoes/Permanentes/CAS/Pautas/20090506EX013.pdf.SUGESTÕES E CONSULTAS DO SENADO

a. Preencher o campo "Remeter para" com "Comissão e Liderança"
b. Preencher o campo "Destinatário" com "Todos os Senadores".
c. Clique em "Solicitação"
d. Preencha os campos "Remetente", "E-mail", "Telefone", "Cidade" e "UF" (obrigatórios)
e. Escreva a mensagem no campo "Sua mensagem". Pode ser, por exemplo:
f. "Quero que os senadores votem pela rejeição total do PLC 122/2006, que cria privilégios para o homossexualismo e instaura a perseguição religiosa no país".
g. Preencha os dados pessoais marcados com asterisco.
h. Clique em Enviar.


________________________
PLC 122/2006: podar ou extirpar?
(com o apoio do governo Lula e com a omissão dos cristãos, uma nefanda lei "anti-homofobia" pode ser aprovada)

Suponhamos que alguém fizesse a proposta de uma lei em defesa dos fumantes. A injúria - que já é crime - seria um crime especial, com pena maior, se fosse cometida contra alguém em razão de ser fumante. O crime de constrangimento ilegal - por exemplo, impedir alguém de se locomover em um local público - teria uma pena agravada se o fosse praticado em razão do tabagismo da pessoa constrangida. A dispensa de um empregado sem justa causa - que não é crime - passaria a ser crime se o empregado fosse tabagista e se fosse dispensado em razão do fumo.

Certamente surgiriam objeções a essa proposta legislativa. Afinal - diriam - os direitos das pessoas, fumantes ou não, já estão elencados na Constituição Federal. O fumante, na qualidade de fumante, não tem direitos. O tabagismo é um vício que não pode acrescentar direito algum a alguém.

* * *
Está para ser apreciado no Senado Federal um projeto (PLC 122/2006) que pretende defender os que praticam atos de homossexualismo. A injúria - que já é crime - será um crime especial, punível com reclusão de 1 a 3 anos e multa, se cometida contra alguém em razão de seu comportamento homossexual (cf. art. 10). A dispensa de um empregado sem justa causa - que não é crime - passará a ser crime punível com 2 a 5 anos de reclusão se o empregado for homossexual e se for dispensado em razão de atos de homossexualismo (cf. art. 4º). A proibição de ingresso ou permanência de alguém em um estabelecimento aberto ao público será crime punível com 1 a 3 anos de reclusão se a pessoa impedida for homossexual e se a causa do impedimento for sua conduta homossexual (cf. art. 5º).

Que significa isso? Que além dos direitos fundamentais garantidos pela Constituição Federal a todas as pessoas, os praticantes do homossexualismo terão direitos em virtude do homossexualismo por eles praticado. O projeto pretende dar aos homossexuais direitos, não na qualidade de pessoa, mas na qualidade de homossexuais. Ora, o homossexualismo (entendido como prática da conjunção carnal entre pessoas do mesmo sexo) é um vício contra a natureza, que não pode acrescentar direito algum a alguém.


* * *
O PLC 122/2006, que recebeu parecer favorável da relatora Senadora Fátima Cleide (PT/RO), tem sido alvo de inúmeras críticas. Fala-se da perseguição que sofrerão aqueles que, comentando passagens bíblicas, condenarem o homossexualismo; da punição que sofrerá uma mãe de família ao dispensar a babá que cuida de suas crianças, após descobrir que ela é lésbica; da sanção penal que sofrerá o reitor de um seminário ao não admitir um candidato homossexual. Tudo isso é verdadeiro, mas não constitui o cerne da questão.

Fala-se também que as penas propostas para os novos crimes (chamados crimes de "homofobia") serão enormes, o que também é verdade. Mas também isso não é o ponto central do problema.

O núcleo do PLC 122/2006 é que ele, pela primeira vez na história legislativa brasileira, pretende dar direitos ao vício. Em nosso país isso é inédito, embora já existam coisas semelhantes em leis estrangeiras, com efeitos desastrosos.

* * *
Os pecadores têm um lugar especial no Cristianismo. Jesus disse textualmente: "Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. [...] Com efeito, eu não vim chamar justos, mas pecadores" (Mt 9,12-13). Ele, que acolheu a mulher adúltera que estava para ser apedrejada (Jo 8,2-11) e o ladrão que fora crucificado ao seu lado (Lc 23,39-43), não rejeitaria um homossexual penitente. Certamente, Ele o perdoaria dizendo: "Vai, e de agora em diante, não peques mais" (Jo 8,11).

O auxílio que Jesus veio trazer aos pecadores é libertá-los do pecado. Afinal, disse Ele, "quem comete pecado é escravo" (Jo 8,34).

O PLC 122/2006 pretende, não libertar os homossexuais, mas consolidar sua escravidão. Longe de estimular uma verdadeira mudança de conduta ("conversão"), o projeto pretende glorificar o vício contra a natureza. Numa total inversão de valores, ele pretende que sejam punidos como criminosos aqueles que censuram o comportamento antinatural.

Ora, orgulhar-se do pecado cometido e exigir que seja reconhecido o "direito de pecar" é uma das atitudes que se chamam pecados contra o Espírito Santo.É um endurecimento do coração, que fecha o pecador à misericórdia de Deus. É justamente esse pecado que o PLC 122/2006 pretende prestigiar.

O PLC 122/2006 não é uma árvore, em si boa, mas com alguns ramos muito altos, que precisam ser podados. É uma erva daninha, que precisa ser extirpada pela raiz.

O erro do PLC 122/2006 não está nos meios que pretende usar para defender uma boa causa. O erro do projeto está em seu próprio fim: dar direitos ao vício. Por isso, é inútil fazer emendas para tentar aproveitar alguma coisa. É preciso rejeitá-lo totalmente.
_________
Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz
Presidente do Pró-Vida de Anápolis
Telefax: 55+62+3321-0900
Caixa Postal 456
75024-970 Anápolis GO
http://www.providaanapolis.org.br
"Coração Imaculado de Maria, livrai-nos da maldição do aborto"


3 de maio de 2009

Entre a Mãe de Deus e a mãe da eugenia, para que lado pende a balança de Hillary Clinton?

Fotomontagem tendo no centro Chris Smith, à direita a Imagem de Na. Sra. de Guadalupe, à esquerda Margaret Sanger
Heitor Abdalla Buchaul
O congressista republicano Chris Smith, em discurso pronunciado na Câmara de Representantes (constituída por deputados federais), no dia 3 de abril de 2009, salientou a atitude contraditória da Secretária de Estado americano, Hillary Clinton, que logo após visitar a Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe, no México, onde ofereceu um buquê de flores em nome do povo americano, recebeu da organização abortista Planned Parenthood o Prêmio Margaret Sanger (fundadora da organização) ocasião em que se declarou impressionada pela figura de Sanger.

Questionou o congressista Smith em seu discurso: “Com todo respeito, pergunto a Hillary Clinton: Está brincando? ‘Impressionada’ por Margaret Sanger, que disse em 1921 que a 'eugenia é a via mais adequada e exaustiva para resolver a discriminação racial, política, e os problemas sociais”. E em 1922 asseverou que “o mais misericordioso que uma família pode fazer a um de seus membros é matá-lo”.

Smith assinalou também a declaração de Hillary (foto), de que Margaret Sanger empreendeu uma das maiores transformações “de toda a história da raça humana”.

“Transformação, sim. Mas não para bem se a pessoa for pobre, marginalizada, fraca, de cor, vulnerável, ou um dos muitos chamados indesejáveis que Sanger teria excluído e exterminado da raça humana”,
explicou ele.

Segundo o congressista, os dois atos públicos “na Cidade do México e em Houston nos apresentam duas irreconciliáveis visões do mundo”.

“Por um lado, o milagre da Virgem de Guadalupe durante cinco séculos trouxe uma mensagem de esperança, fé, paz, reconciliação e proteção dos mais débeis, os mais vulneráveis entre nós. Por outro lado, cada ano, a Planned Parenthood de Margaret Sanger mata 300 mil meninas e meninos em suas clínicas de aborto espalhadas pelos Estados Unidos".

"Nossa Secretária de Estado desconhece as crenças desumanas de Margaret Sanger? Não se informou sobre o cruel e temerário desprezo dela para com os pobres e as mulheres grávidas? No mínimo, a Secretária de Estado Clinton deveria devolver o Prêmio Sanger”.

No dia 22 de abril de 2009, a Secretária de Estado falou sobre o aborto, numa audiência na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes, sendo contestada pelo deputado republicano e opositor do aborto Jeff Fortenberry (na foto ao lado de Condoleezza Rice). Este acusou o governo americano de forçar os contribuintes a pagar políticas das quais discordam. Hillary Clinton respondeu-lhe nos seguintes termos: “Temos uma desavença essencial [...] eu defendo, fortemente, que você tem o direito de argumentar e que todo mundo que está do seu lado deve ter liberdade para argumentar em qualquer lugar do mundo. Nós também". E prosseguiu: “Só que nós consideramos o planejamento familiar uma parte muito importante da saúde das mulheres, e a saúde da reprodução inclui o acesso ao aborto que, a meu ver, deve ser seguro, legal e inusual”.

* * *
O Departamento de Estado anunciou em março passado a doação de até 50 milhões de dólares ao Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em 2009, a primeira contribuição no decorrer de sete anos para essa instituição, que financia principalmente campanhas a favor da contracepção.

Pelas palavras e pela política explicitamente desenvolvida pela Secretária de Estado, que acompanha a orientação do governo Obama, fica claro, realmente, qual é o tipo de mãe de sua preferência.