27 de abril de 2011

A repugnância de Deus ao pecado de homossexualismo

“Deus condenou à destruição e reduziu a cinzas as cidades de Sodoma e Gomorra para servir de exemplo para os ímpios do porvir”. (Epístola de S. Pedro)


Através do e-mail disponível neste blog, recebi algumas indagações relacionadas ao pecado de homossexualismo — mais ou menos semelhantes a estas abaixo —, às quais este “blogueiro” não soube responder com precisão. Para esclarecer tais perguntas, nada melhor que um douto sacerdote: o Mons. José Luiz Marinho Villac [foto abaixo], colaborador do mensário Catolicismo. Nessa revista (edição Nº 724/abril/2011), ele elucida a questão expondo algumas noções básicas, que cada um poderá aplicar nos confrontos quotidianos que venham a ter sobre o assunto.

1. Gostaria de conhecer a posição da Igreja Católica a respeito do homossexualismo, onde posso encontrar respaldo nas Escrituras e no Código de Direito Canônico, para um possível debate;
2. Que atitudes a Igreja manda tomar quando me vir de frente com tal situação, especialmente na família: posso recebê-los em minha casa normalmente?
3. Que atitude, pensamento e palavra devo ter, ao me deparar com tal situação?

Resposta — O tema é dos mais atuais, pois a senadora Suplicy desengavetou o projeto contra a homofobia, que em 2006 fora apresentado na Câmara pela deputada petista Iara Bernardi e agora está no Senado. Ademais, os partidários da propagação do pecado nefando estão tomando uma posição cada vez mais agressiva. Assim, se os defenso-res da boa posição moral não se mantiverem alertas, podem ser pegos de surpresa por certas manobras sorrateiras para impor — “democraticamente” (?!) — ideologias contrárias ao pensamento geral da opinião pública, como já tem acontecido no Brasil e no mundo. O leitor faz bem, portanto, de se preparar para eventual tomada de posição nos círculos familiares e um possível debate em âmbitos mais extensos.

Caso conhecidíssimo narrado nas Escrituras
Embora o caso de Sodoma e Gomorra, narrado no livro do Gênesis, seja muito conhecido, convém recordá-lo aqui para quem não o tenha à mão.

Deus apareceu a Abraão, junto com dois anjos (todos em forma humana), e lhe anunciou que, apesar da avançada idade, ele teria um filho. Abraão acolheu-os e fez com que Sara, sua mulher, lhes desse de beber e comer. E tendo sido servidos, levantaram-se todos e “voltaram os olhos para Sodoma; e Abraão ia com eles, acompanhando-os. E o Senhor disse [para Si mesmo]: Acaso poderei eu ocultar a Abraão o que estou para fazer, visto que ele há de vir a ser pai de uma nação numerosíssima e poderosíssima, e que todas as nações da Terra hão de ser benditas nele? [...] Disse, pois, o Senhor: O clamor de Sodoma e Gomorra aumentou, e o seu pecado agravou-se extraordinariamente” (Gen. 18,16-20).

Os dois anjos prosseguem o caminho até Sodoma, e Abraão fica com o Senhor. Entendendo que Deus iria castigar a cidade, onde residia seu sobrinho Lot, Abraão procura salvá-lo. A cena é comovedora. Diz Abraão ao Senhor: “Perderás tu o justo com o ímpio? Se houver cinquenta justos na cidade, perecerão todos juntos? E não perdoarás aquele lugar por causa dos cinquenta justos, se os houver? [...] E o Senhor disse-lhe: Se eu achar no meio da cidade cinquenta justos, perdoarei por amor deles toda a cidade” (Gen. 18,23-26). Abraão percebe que jogou alto demais, e vai rebaixando o número de justos de 50 para 45, depois para 40, depois para 30, para 20 e chega até 10!... “E o Senhor disse: Não a destruirei por amor aos dez. O Senhor retirou-se, depois que cessou de falar com Abraão e Abraão voltou para a sua tenda” (Gen. 18,32-33). Abraão compreendeu que sua intercessão fora infrutífera, não pela falta de desejo do Senhor em atendê-lo, mas porque não havia sequer dez justos em Sodoma...

“À tarde, chegaram os dois anjos a Sodoma, quando Lot estava sentado às portas da cidade. E ele, tendo-os visto, levantou-se, e foi ao seu encontro, prostrou-se por terra e [...] instou com eles para que fossem à sua casa; e depois que entraram, preparou-lhes um banquete, e fez cozer uns pães ázimos, e eles comeram. Mas antes que fossem deitar, os homens da cidade, desde os jovens até os velhos, e todo o povo junto com eles, cercaram a casa. E chamaram por Lot e disseram-lhe: Onde estão aqueles homens que entraram em tua casa ao cair da noite? Faze-os sair para que os conheçamos” (Gen. 19,1-5). Linguagem cheia de pudor da Bíblia para indicar que queriam abusar deles. Lot sai, e tenta dialogar com os facínoras, alegando o direito de proteção aos hóspedes, ao qual estava obrigado. Chega ao extremo de oferecer suas filhas. É maltratado pela turba, que queria mesmo os homens... Tentam arrombar a porta, quan-do os anjos puxam Lot para dentro, e fecham a porta. “E [os anjos] feriram de cegueira os que estavam fora, desde o menor até o maior, de sorte que não podiam encontrar a porta” (Gen. 19,11). Lot e os seus estavam, de momento, salvos.


Não obstante, Lot move-se com displicência...
Segue-se uma batalha inesperada: a dos anjos para retirar Lot e os seus da cidade maldita... “E disseram a Lot: Tens aqui alguns dos teus? Genro ou filho, ou filhas, faze sair desta cidade todos os que te pertencem, porque nós vamos destruir este lugar, visto que o clamor [dos seus crimes] aumentou diante do Senhor, o qual nos enviou para que os exterminemos” (Gen. 19,12-13).

Lot sai para buscar os genros que estavam para se casar com suas filhas, mas estes tomaram o aviso como se Lot estivesse zombando deles. O próprio Lot movia-se com displicência: “Ao amanhecer, instavam os anjos com Lot dizendo: Levanta-te, toma tua mulher e as duas filhas que tens; não suceda que também pereças na ruína da cidade. E como ele hesitasse, pegaram pela mão a ele, a sua mulher e as suas filhas, porque o Senhor queria salvá-lo. E o tiraram de casa, e o puseram fora da cidade; e aí lhe falaram, dizendo: Salva a tua vida; não olhes para trás, e não pares em parte alguma dos arredores deste país; mas salva-te no monte, para que não pereças com os outros” (Gen. 19,15-17). Lot ainda contemporiza e pede para ir para uma pequena cidade próxima, onde diz que se sentiria mais seguro. “E o Senhor disse-lhe: Eis que, ainda nisso, eu ouvi os teus rogos, para não destruir a cidade a favor da qual me falaste. Apressa-te e salva-te lá, porque não poderei fazer nada enquanto tu lá não tiveres entrado” (Gen. 19,21-22). “E o sol levantou-se sobre a Terra, quando Lot entrou em Segor [a pequena cidade, da qual falara]. Fez pois o Senhor chover sobre Sodoma e Gomorra enxofre e fogo do céu, [vindo] do Senhor; e destruiu estas cidades, e todo o país em roda, todos os habitantes das cidades, e toda a verdura da terra. E a mulher de Lot, tendo olhado para trás, ficou convertida numa estátua de sal” (Gen. 19,24-26).

Destruição de Sodoma e Gomorra
John Martin, séc. XIX. 
Laing Art Gallery, Newcastle

Sodama e Gomorra são, pois, casos paradigmáticos da aversão de Deus ao pecado de homossexualismo, que na lei mosaica era castigado com a morte (cfr. Lev. 18,22;20,13; Deut. 23, 18-19).


Entretanto, se algum sacerdote ler estes trechos no púlpito (hoje lamentavelmente abandonado) de alguma igreja, poderá ser acusado de homofobia e ir para a cadeia, caso o projeto que mencionamos de início seja aprovado...

Pecado que brada aos Céus por vingança
Tampouco o Novo Testamento é menos radical na condenação da prática do homossexualismo. São Paulo afirma claramente que os sodomitas não entrarão no Reino dos Céus: “Porventura não sabeis que os injustos não possuirão o Reino de Deus? Não vos enganeis: nem os fornicadores, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os que se dão à embriaguez, nem os maldizentes, nem os roubadores possuirão o Reino de Deus” (I Cor. 6,9-10). Ver também I Tim. 1,8-11.

Por isso o Primeiro Catecismo da Doutrina Cristã enumera, entre os pecados que bradam ao Céu e pedem por vingança de Deus, o “pecado sensual contra a natureza” (Editora Vozes, Petrópolis, 1951, p. 25). É assim que é designado, na Moral católica, o pecado de homossexualismo.

O tema é extenso e não cabe nos limites desta coluna. Sem dúvida, a constituição física de determinadas pessoas as pode inclinar afetivamente para outras do mesmo sexo. Elas não são culpadas por isso, mas incumbe-lhes a mesma obrigação de castidade. E com a ajuda da graça de Deus, obtida pela oração, frequência aos sacramentos e fuga das ocasiões, elas podem coibir os movimentos desordenados de sua predisposição física e manterem-se castas.

É claro que as pessoas da família, sobretudo os pais, devem ajudá-las e tratá-las com caridade — o que não significa tolerar qualquer infração do 6° Mandamento da Lei de Deus, o qual obriga à castidade.

Se, em outra hipótese, essa tendência antinatural decorrer de uma educação mal orientada ou de um ambiente viciado, elas devem ser corrigidas também com os desvelos da caridade cristã, mas sem fraquezas nem condescendência alguma relativa às práticas contrárias à natureza.

Contudo, para os que se entregam a esses atos — e são muitíssimos —, vale o julgamento terrível do Catecismo, há pouco lembrado: eles bradam ao Céu e atraem a cólera de Deus. O exemplo da destruição de Sodoma e Gomorra está aí para ser sempre lembrado...

Espero que os lineamentos gerais da questão, aqui apresentados de forma muito sumária, ajudem o missivista a encontrar por si a solução das situações concretas com que venha a se defrontar.
____________
E-mail para o autor: catolicismo@terra.com.br

Um comentário:

Rodrigo César disse...

Você não acha que essa imposição absurda de equiparar homossexualismo com família, expor crianças ao homossexualismo e nos perseguir porque nós discordamos, tem uma origem muito mais profunda do que um simples fenomeno cultural e politico?
Falo de conspirações.
Você pode até me chamar de antissemita, mas você já leu os protocolos dos sábios de sião? Se fala lá de enfraquecer o coneceito de família. Eu não estou acusando diretamente os judeus, mas o fato é que os judeus são donos dos bancos e da mídia. A mídia promove essas coisas, e os bancos no fundo mandam nos países. Se os protocolos são falsos, porque eles estão se realizando ao pé da letra?