24 de abril de 2016

O BRASIL NO MEMORÁVEL DIA 17 DE ABRIL


Reações contra a esquerdização do País e alerta para a atual crise política, social e econômica cuja origem reside numa crise religiosa e moral

Paulo Roberto Campos

Com multidões nas ruas das principais cidades, o povo brasileiro virou uma página de sua história. Entretanto, muitas outras páginas ainda precisam ser viradas para que o Brasil reencontre o seu caminho e realize sua missão providencial no concerto das nações.

Para falar de um local onde estive — Avenida Paulista —, os manifestantes que a lotavam celebraram cada voto pró-impeachment emitido no plenário da Câmara dos Deputados no histórico dia 17 de abril. Com os olhos fixos nos telões, eles comemoraram 367 vezes os votos pelo SIM! e vaiaram 137 vezes os votos pelo NÃO! Encerraram a celebração daquela vitória cantando o Hino Nacional. Eventos análogos ocorreram em todas as regiões do País. 

Notei na fisionomia de numerosos manifestantes que eles sentiam-se como se estivessem recebendo uma lufada de ar fresco em meio à poluição petista que há 13 anos espalhou-se pelo Brasil; ou como se tivessem a alegria de ver, depois de tantos anos, uma luz no fim de um tenebroso túnel. 

Esperemos que o Senado e o STF não venham a frustrar, com delongas, o que a imensa maioria dos brasileiros espera: a aprovação do processo de impeachment

Um fato ficou evidenciado: o Brasil real é bem diverso do Brasil oficial. Ou seja, o Brasil autêntico e cristão não deseja que no livro de sua história, no capítulo denominado PT, o atual governo seja registrado como bom para o povo brasileiro. Este rejeita a adulteração do Brasil por ideologias marxistas; rejeita figuras opostas aos grandes valores de seu glorioso passado; recusa a “cubanização” do País. Nesse sentido, uma das faixas muito chamativa na Avenida Paulista continha estes dizeres: “Deputado que vota NÃO, nunca mais ganha eleição!”. 

Ação anticomunista 

Voluntários do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira [foto abaixo] estiveram presentes na Avenida Paulista, distribuindo um manifesto intitulado O BRASIL EM HISTÓRICA ENCRUZILHADA, com uma introdução Abra e Veja: Operação para enganar o público e tentar salvar o projeto socialista que vem demolindo o Brasil há vários anos! 

Como nossos leitores já devem ter lido, o documento não trata apenas da tremenda crise que deixou o País à deriva pela aplicação do projeto comuno-bolivariano do governo lulopetista, mas versa também e principalmente sobre a conjuntura que eventualmente nos aguarda em decorrência dessa crise sem precedentes, cujo fim após a provável aceitação do impeachment é muito difícil determinar. 

Petismo sem PT 

Com relação ao período pós-PT — com impeachment ou não — o manifesto oferece subsídios para um sadio debate, e levanta algumas possíveis soluções que poderiam ajudar o País a enfrentar com denodo as atuais dificuldades. Por exemplo, ao afirmar que “a solução verdadeira não está por ser inventada. Trilhando as vias da fidelidade aos princípios da civilização cristã, o Brasil, sempre fiel a si mesmo, poderá esperar as bênçãos do Cristo Redentor”. 

Levanta ainda algumas hipóteses, as quais poderiam sugerir falsas soluções. Uma delas seria o perigo de o País naufragar em mãos de aventureiros — novos “salvadores da pátria”, velhos conhecidos — ou de um governo que não se apresentaria como petista, mas que continuaria a empregar o mesmo estratagema do PT. Popularmente falando, seria seguir “tudo como dantes no quartel de Abrantes”... 

Tal hipótese se realizaria, por exemplo, com a implantação de um “sistema melancia” (verde por fora e vermelho por dentro), meio ecologista, meio petista. Um regime comuno-miserabilista como aquele que arruinou a infeliz Cuba e no qual afunda a vizinha Venezuela, onde o governo bolivariano debilitou as autênticas tradições cristãs consubstanciadas na instituição da família e no direito de propriedade. 

No Brasil, contribuiu para o atual estado de coisas a chamada esquerda católica, bafejada pela CNBB (Conferência Nacional do Bispos do Brasil) e pelos “teólogos da libertação”, que procuraram iludir o povo católico a respeito do PT, exaltando-o e abençoando-o como se fosse uma espécie de “partido salvador do trabalhador oprimido”. Mesmo com o governo petista no fundo do poço, sem qualquer credibilidade, o clero esquerdista ainda procura dar-lhe uma sobrevida. Contribui assim para a desesperada tentativa de implantar em solo pátrio o regime de miséria e de fome reinante na Cuba de Fidel Castro e repetido na Venezuela, primeiro no governo do falecido Hugo Chávez e agora no de Nicolás Maduro — regime, aliás, agonizante. 

Vigilância contra falsas soluções 

Entretanto, é exatamente isto que o povo brasileiro rejeita. A prova são os recentes e monumentais protestos que transcorreram ordeiros e pacíficos em todo o território nacional. Milhões de compatriotas nossos manifestaram-se indignados com os erros que serpenteiam, espalhados sobretudo pelo PT e assimilados. 


Nesta “encruzilhada histórica” — com a eventual queda do governo petista e para evitar que a demolição do País prossiga —, a referida introdução ao manifesto do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira alerta para os enganosos rumos e falsas alternativas que “poderão nos levar ao mesmo abismo a que a cobra socialista nos está tentando conduzir nos últimos anos. É só pelo retorno à fonte de nossa civilização cristã — e aos seus pilares que são a tradição, a família e a propriedade — que disporemos da assistência divina, com cujo auxílio e com nossos esforços poderão estar à altura da imensa tarefa de reconstrução moral e material do nosso querido País. Que a isso nos ajude o Cristo Redentor”. 

Peçamos a Ele, por meio da Rainha e Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, que ampare nossa Pátria nesta difícil encruzilhada, não permitindo que a serpente infernal continue afligindo o povo brasileiro, enganando-o ou conduzindo-o rumo às mencionadas falsas soluções. Mas o Divino Redentor deseja nossa contribuição: não devemos permanecer de braços cruzados face às investidas venenosas da víbora marxista, causadora da atual crise política, social e econômica, que encontra sua origem numa crise religiosa e moral.

_________ 

Para percorrer a "galeria" de fotos que fiz durante a manifestação pelo impeachment, realizada na Av. Paulista, no dia 17 de abril, click na primeira imagem:



Manifestação de alegria pelo impeachment do governo PT pode-se perceber em fisionomias de pessoas de todas as classes sociais e todas as raças














Note-se à direita o terço desta senhora. Rezemos em família para que Nossa Senhora livre o Brasil dos erros do comunismo espalhados em nossa Pátria pelo PT
















2 comentários:

Marlene Amorim disse...

De fato viramos apenas uma página do livro de nossa história e, como diz o Paulo Roberto Campos, precisaremos virar muitas e muitas outras páginas para nos livrar do comunismo petista que espalhou sua poluição ideológica pelo Brasil inteiro. Isto porque não basta derrubar o PT e colocar outro partido no lugar. O PT, nesses 13 anos de malefícios, deixou sua poluição impregnada em todas as instituições. Principalmente... LAMENTAVELMENTE..... nos livros escolares....... Nossas crianças já estão impregnadas de petismo aprendido nas escolas. Como agora nos livrar dessa infestação? Não é nada fácil........... Temos que reconstruir o país? Os pais e mães que fiquem atentos!!!!! É um modo de nos livrar do PT. Os pais e mães irem limpando das cabecinhas de seus filhinhos os erros espalhados pelo petismo. Por isso gostei especialmente de ver uma das fotos da manifestação na Av. Paulista. Senhoras idosas levando uma faixa: "Avós preocupadas com o futuro de seus netos". Isto é que precisamos memso: rasgar as páginas de nossa história com os erros comunistas do PT. Mas, sobretudo, não permitir que tais erros fiquem impregnados nas mentes de nossos filhos e netos. Muito obrigada pela reportagem!

Marcos Costa disse...

Totalmente de acordo com o artigo. O Brasil esta' nas ruas protestando contra a esquerda. Vamos construir o verdadeiro Brasil baseados nos principios morais. AzevedoMarques