12 de novembro de 2017

Canonização dos 30 mártires brasileiros, massacrados pelos invasores protestantes

Executados em Cunhaú e Uruaçu por ódio à fé católica, eles são considerados protomártires — os primeiros santos mártires do Brasil.

Paulo Roberto Campos

Em duas pequenas vilas do Nordeste foram escritas com sangue gloriosas páginas da História pátria — páginas hoje censuradas ou pouco referidas nos livros didáticos.
Em meados do século XVII, parte do Nordeste brasileiro sofrera a invasão holandesa de discípulos de Lutero e Calvino. Estes, além de se aproveitarem das nossas terras para se enriquecerem com o comércio, saqueavam o que encontravam de mais precioso nas regiões que dominavam. Mais grave: profanavam nossas igrejas, praticavam atos sacrílegos, destroçando o que nelas havia de sagrado: imagens preciosas, sacrários, paramentos, objetos litúrgicos. Não se contentando com tais profanações, incendiavam templos católicos, torturavam, encarceravam sacerdotes, violentavam mulheres.

Atos praticados para mostrar poder e aterrorizar as populações nordestinas que resistissem em se perverter ao protestantismo — cujo fundador, o heresiarca Lutero, por ocasião dos 500 anos de sua revolta, está sendo paradoxalmente comemorado até por altas autoridades da Igreja Católica, instituição que ele tanto odiou e quis inutilmente destruir.

Cerimônia de canonização na Praça de São Pedro

Tapeçaria com os Santos brasileiros,
exposta na fachada da Basílica
de São Pedro no dia da canonização
Foram canonizados os chamados “mártires de Cunhaú e Uruaçu” — nomes de duas localidades que hoje correspondem aos municípios de Canguaretama e São Gonçalo do Amarante, no interior do Rio Grande do Norte.
Aproximadamente 20 mil pessoas acompanharam no dia 15 de outubro último a cerimônia de canonização presidida pelo Papa Francisco na Praça de São Pedro [foto acima], contando entre os assistentes cerca de 400 peregrinos brasileiros, a maioria do Nordeste. Esses mártires, massacrados por invasores protestantes da Holanda — como narraremos abaixo —, podem ser agora venerados pelos católicos do mundo inteiro.
Na mesma cerimônia foram também canonizados dois meninos martirizados em 1527 no México; um sacerdote espanhol, falecido em 1925; e um frade capuchinho da Itália, morto em 1739.



Martírio: morte violenta, por ódio à fé católica, aceita livremente

Os 30 brasileiros heróis da fé (dois sacerdotes e 28 leigos) haviam sido beatificados no dia 3 de março de 2000 pelo Papa João Paulo II. Agora, com a canonização, 372 anos depois do martírio, foram elevados oficialmente à glória dos altares.
No meio da celebração, soldados e comerciantes holandeses,
auxiliados por índios tapuias do Potengi pervertidos
à religião de Lutero, trancaram as portas da capela
e iniciaram um massacre.
Eles são considerados mártires porque seus algozes calvinistas queriam que apostatassem — renegando a Religião católica e adotando a seita protestante, para, em seguida, ajudarem os invasores holandeses —, contudo preferiram morrer a renegar o catolicismo.
Três condições são necessárias ao martírio: morte violenta, “in odium fidei” (por ódio à fé católica) e livremente aceita. “A atitude resignada dos fiéis ao suportar tantos suplícios, confissões explícitas de fé, orações e penitências feitas pelos moradores momentos antes do martírio, são sinais mais do que evidentes de que, do ponto de vista das vítimas, foram preenchidos todos os requisitos teológicos para o martírio” — afirmou o Mons. Francisco de Assis Pereira (1935-2011), postulador da causa dos mártires de Cunhaú e Uruaçu.
Os fatos são comprovados por documentos disponíveis na Torre do Tombo (Portugal), no Museu de Ajax (Holanda) e em arquivos nacionais. Segundo os documentos, somente nas duas mencionadas vilas, mais de 150 heroicos nordestinos derramaram o sangue em defesa da fé católica, embora apenas 30 deles — fidedignamente identificados e reconhecidos por historiadores — tenham sido canonizados.

“Protomártires do Brasil”

Esses 30 santos são também considerados “protomártires do Brasil”, por terem sido os primeiros brasileiros a alcançarem a palma do martírio em nossas terras. O que se poderia objetar dizendo que quase um século antes havia ocorrido o martírio dos 40 religiosos da Companhia de Jesus, que viajavam em uma nau proveniente da Europa para esta “Terra de Santa Cruz”. Conhecidos como os “40 Mártires do Brasil”, eles foram mortos num assalto, ocorrido no dia 15 de julho de 1570 próximo às Ilhas Canárias, perpetrado por navios de calvinistas franceses comandados pelo huguenote Jacques Sourie. Esses sequazes de Calvino, ao tomarem conhecimento que se tratava de missionários católicos, executaram-nos. Todos foram lançados ao mar, alguns já mortos, outros feridos.
Respondendo à objeção acima, podemos dizer que esses 40 mártires não eram brasileiros, pois 32 nasceram em Portugal e oito na Espanha. Eram jovens entre 20 e 30 anos, pertencentes à Companhia de Jesus, que os destinara em 1570 às missões no Brasil. Lideravam-nos o Pe. Inácio de Azevedo, S.J., e se compunham de dois sacerdotes, um diácono, 14 irmãos e 23 estudantes. Eles foram beatificados em 11 de maio de 1854 pelo Bem-aventurado Papa Pio IX.1

Como foi o martírio dos heróis da fé em Cunhaú e Uruaçu?

O dia 16 de julho de 1645, festividade de Nossa Senhora do Carmo, transcorria normalmente no vilarejo de Cunhaú, até o momento em que um judeu-alemão de nome Jacob Rabbi, atuando a serviço dos hereges holandeses, espalhou a notícia de que, após a Missa, os habitantes seriam informados de assuntos de importância para eles e para o Estado.
Então, a fim de assistirem à Missa de preceito e depois se inteirarem daquilo que seria anunciado, 70 fiéis se reuniram na capela de Nossa Senhora das Candeias, do Engenho de Cunhaú. No meio da celebração, contudo, soldados e comerciantes holandeses, auxiliados por índios tapuias do Potengi pervertidos à religião de Lutero, trancaram as portas da capela e iniciaram um massacre. O celebrante, Pe. André de Soveral — paulista de São Vicente e discípulo do Pe. Anchieta —, exortou os fiéis a se arrependerem de seus pecados, numa breve preparação para a morte e salvação das almas. Os invasores trucidaram o idoso sacerdote e, em seguida, os demais foram passados à espada, com exceção de três homens que fugiram. Um dos fiéis, Mateus Moreira [imagem acima], foi apunhalado e morreu testemunhando sua fé ao exclamar “Louvado seja o Santíssimo Sacramento”. Seu coração foi arrancado pelas costas.
Dois meses e meio depois, em 2 de outubro de 1645, aproximadamente 80 católicos nordestinos foram torturados até a morte às margens do Rio Uruaçu, por não renunciarem a fé católica. A crueldade foi ainda maior do que no massacre de Cunhaú. Os fiéis foram cortados em pedaços, degolados, muitos tiveram olhos e línguas arrancados. Os seguidores de Lutero, também contando com ajuda de índios tapuias, não pouparam sequer as crianças nos braços de suas mães, nem mesmo um bebê. Nesse mesmo massacre foi torturado e morto o Pe. Ambrósio Francisco Ferro.

A gloriosa epopeia da “Insurreição Pernambucana”

Nas regiões nordestinas, à medida que recrudesciam as perseguições aos católicos, com o intento de arrancar-lhes a fé e obter-lhes a perversão ao protestantismo, cresciam as indignações contra os intrusos holandeses.
Começou-se a organizar as reações para dar um basta ao plano de conquista de uma parte do Brasil pela heresia protestante. Nascia uma verdadeira cruzada — a “Insurreição Pernambucana” — para expulsar os invasores e impedir a implantação da “Nova Holanda” no Nordeste brasileiro.
Pernambuco, então capitania governada por Mathias de Albuquerque (1580–1647), já estava sendo dominado pela Holanda, que ali estabeleceu a “Companhia das Índias Ocidentais”. Seu objetivo era explorar e comercializar as riquezas de nosso território, então pouco povoado, valendo-se para isso de poderosa esquadra e milhares de soldados. O exército holandês no século XVII era considerado moderno, numeroso e com muito poder de fogo. Por seu lado, não contando os heroicos pernambucanos com um exército, deviam contentar-se em fazer apenas escaramuças contra os soldados batavos — assim chamados, pois originários da Batávia, antigo nome dos Países Baixos.
No entanto, pouco a pouco, católicos resistentes do Nordeste foram se organizando, sobretudo com a liderança de João Fernandes Vieira (1610-1681) [quadro ao lado], rico senhor de engenho. Juntaram-se a este heroico líder o paraibano André Vidal de Negreiros, o índio potiguara Antonio Felipe Camarão, o líder negro Henrique Dias, bem como outros senhores de engenho, que representavam a aristocracia da terra.
Unindo providencialmente brancos, negros e índios, representando as três raças constitutivas do autêntico Brasil, forjava-se a grandeza da nacionalidade de um país nascido católico e que passou a lutar para expulsar o invasor herege do solo pátrio.

Vitória sobrenatural alcançada no Monte das Tabocas

Após algumas escaramuças contra os hereges holandeses, em 3 de agosto de 1645 travou-se a memorável batalha do Monte das Tabocas, atualmente Vila da Vitória de Santo Antão. A luta foi árdua, sobretudo devido à escassez de recursos dos resistentes nordestinos, com suas espadas enferrujadas, contra o poderio formidável das armas dos batavos, além da enorme diferença numérica entre os combatentes. Num momento em que tudo parecia perdido, por iniciativa de um sacerdote, rezaram pedindo a intervenção da Santíssima Virgem, tendo Fernandes Vieira prometido construir duas igrejas: uma dedicada a Nossa Senhora de Nazaré, e outra a Nossa Senhora do Desterro.
Afinal, a vitória foi alcançada graças a uma intervenção sobrenatural! Insurgentes católicos testemunharam ter ouvido soldados hereges presos confessarem que viram aparecer do céu “uma mulher muito formosa com um menino nos braços, e junto a ela um velho venerando, vestido de branco, os quais davam armas, pólvora e balas aos nossos soldados, e que era tanto o resplendor que a mulher e o menino lançavam, que lhes cegava os olhos e não podiam olhar para eles de fito a fito. E que esta visão lhes fez logo virar as costas e retirar-se descompostamente”.2
Batalha dos Montes Guararapes – Victor Meirelles, 1879. Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro


As duas vitórias obtidas nos Montes Guararapes

Quase três anos depois da batalha do Monte das Tabocas, travou-se a primeira batalha dos Montes Guararapes (19 de abril de 1648), também comandada por João Fernandes Vieira. Este, no período entre as duas mencionadas batalhas, continuou treinando os insurgentes católicos e realizando escaramuças para atormentar e enfraquecer os calvinistas.
Na primeira batalha de Guararapes, apesar da desproporção numérica — 2.200 brasileiros contra 7.400 holandeses —, nossos insurgentes saíram vitoriosos, mas não foi suficiente para quebrar o ânimo batavo.
Entretanto, na segunda batalha de Guararapes, travada em 19 de fevereiro de 1649, os hereges holandeses perceberam que o fim de sua permanência no Brasil estava chegando. Somente nesse combate eles tiveram cerca de 2.000 baixas, enquanto apenas 47 brasileiros perderam a vida — entre os quais, infelizmente, o líder negro Henrique Dias, que morreu lutando heroicamente.
Mesmo enfraquecidos pela grande perda de soldados, armas e munições, apreendidas pelos católicos insurgentes nessas batalhas, os calvinistas conseguiram permanecer no Nordeste até 1654.
Nesse ano, a resistência católica conseguiu reconquistar dos batavos alguns fortes importantes. Percebendo estes que chegara seu fim, capitularam. Assinaram a rendição no dia 27 de janeiro de 1654 e retornaram para onde não deveriam ter saído.
Com o triunfo dos heróis da “Insurreição Pernambucana”, João Fernandes Vieira foi aclamado “governador da independência” e tomou posse da capital naquele histórico dia. Também nascia, sob o patrocínio dele, de Felipe Camarão [quadro ao lado] e de Henrique Dias [quadro abaixo], o glorioso Exército brasileiro, para proteção de nosso território.

Escandaloso silêncio, revelador das intenções de muitos

Chama a atenção o fato de a grande mídia, mesmo publicando matérias sobre a canonização dos mártires de Cunhaú e Uruaçu, não as tenha relacionado com a epopeia da “Insurreição Pernambucana”, uma vez que esta nasceu da indignação contra as perseguições perpetradas pelos protestantes holandeses. Nos dias posteriores à canonização acompanhei de perto os grandes jornais do País, não encontrei neles uma linha sequer estabelecendo essa correlação. Por que esse silêncio?
A mesma pergunta poder-se-ia fazer às nossas autoridades eclesiásticas que, mesmo falando da canonização, também não fizeram tal vinculação dos fatos. Refletindo nesse silêncio, julguei-o mais triste do que a “censura” da mídia, pois os eclesiásticos, mais do que ninguém, têm a missão de ressaltar a beleza da resistência católica contra a heresia. Por que silenciar tão belas e gloriosas páginas da História do Brasil e da Igreja?

Nova resistência católica no Brasil de hoje

No detalhe, representação
da aparição de Nossa Senhora
que auxiliou os católicos
durante a batalha
e aterrorizou
os invasores protestantes
Rezemos aos nossos santos-mártires pedindo-lhes que, assim como do sangue que verteram venceu a “Insurreição Pernambucana” contra o herege invasor do território nordestino, suscitem também no Brasil de hoje nova “insurreição” — no sentido de uma autêntica cruzada em defesa da verdadeira fé — para não se permitir que a Religião católica, em nosso País ou em qualquer parte do mundo, seja perseguida e aviltada como tem sido ultimamente em muitos lugares. Por exemplo, através de exposições blasfemas, sacrílegas e pornográficas. Para citar apenas um caso recente: à guisa de “apresentação teatral”, um homem inteiramente nu ralou uma imagem de Nossa Senhora Aparecida e lançou seu pó sobre a plateia!
Em face de tais agressões anticatólicas, convidamos nossos leitores a oporem uma resistência pacífica, mas firme. Outro convite que poderíamos acrescentar: fazermos o propósito de sempre que mencionarmos os novos santos-mártires de Cunhaú e Uruaçu, estabelecermos a vinculação deles com a gloriosa “Insurreição Pernambucana” contra a dominação protestante. Tema de suma importância nestes dias em que se comemoram os 500 anos de Lutero — o heresiarca em face de cuja religião os santos-mártires potiguares preferiram morrer a se perverterem.


____________ 

Matéria publicada na Revista Catolicismo, Nº 803, Novembro/2017.
Fontes consultadas:
Robert Southey, História do Brasil (Traduzido do inglês pelo Dr. Luiz Joaquim de Oliveira e Castro, com anotações do Cônego Dr. Fernandes Pinheiro), Livraria B. L. Garnier, Rio de Janeiro, 1862, tomo III.
Pedro Calmon, História da Civilização Brasileira, Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1958, 6ª edição (aumentada), vol. 14.
Notas:
  1. A respeito, para melhor conhecimento, recomendamos a edição de Catolicismo de julho/2014, p. 36.
  2. Diogo Lopes Santiago, História da Guerra de Pernambuco, Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco, Recife, 1984, p. 258.

Nenhum comentário: