22 de novembro de 2007

Mais uma artimanha dos abortistas

Pela notícia de hoje, divulgada pela “Agência Câmara”(*), nota-se que houve uma manobra dos deputados pró-aborto para adiar a discussão sobre o assunto. Certamente eles temeram não obter o número suficiente para vencer e estão adiando, à espera de ocasião favorável à nefanda causa abortista. Precisamos continuar vigilantes e pressionando os parlamentares, pois, se baixarmos a guarda, na calada da noite a bancada pró-aborto poderá nos surpreender aprovando um dos atos mais covardes que se tem notícia na História: a execução de ser humano que indefeso encontra-se no ventre materno. Como sabemos, a vida humana existe desde o momento da concepção — o que está sobejamente demonstrado pela ciência —, portanto nada pode justificar a sua eliminação.
Segue a referida notícia da “Agência Câmara”, datada de 21-11-07:

Pedido de vista adia discussão sobre aborto

O relatório do deputado Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP), que é contrário à descriminalização do aborto, foi distribuído aos integrantes da Comissão de Seguridade Social e Família, mas não chegou a ser lido devido a um pedido de vista apresentado pelos deputados Pastor Manoel Ferreira (PTB-RJ) e Dr. Talmir (PV-SP).

Mudalen é o relator dos projetos 1135/91, que legaliza o aborto em qualquer circunstância; e 176/95, que permite o aborto até o 90º dia de gravidez e obriga a rede hospitalar pública a realizar o procedimento.

O assunto é polêmico, mas o relator acredita que seu parecer será aprovado. "Acho que vamos votar o relatório em dezembro e vamos ganhar."
Antes da votação, porém, a comissão fará, no dia 5 de dezembro, audiência pública com o ministro da Saúde, José Temporão, que é favorável à discussão das regras vigentes sobre o aborto. Atualmente, o Código Penal prevê detenção de um a três anos para a gestante que provocar aborto ou consentir que outro o faça.

A deputada Cida Diogo (PT-RJ) acusou Mudalen, que também preside a comissão, de desrespeitar um acordo prévio de apenas apresentar o relatório após a audiência com Temporão. Segundo ela, o deputado está tentando "criar um fato político" aproveitando a rejeição do aborto na 13ª Conferência Nacional de Saúde realizada no último fim de semana. "Vamos discutir com os deputados favoráveis ao aborto e estabelecer uma estratégia para tentar aprovar o projeto", disse Cida Diogo.

2 comentários:

Maria José disse...

Precisamos muito combater a campanha contra a vida (aborto) e a família que está se alastrando por toda a América Latina e já é uma grande ameaça no Brasil, com vários projetos de lei (contra a vida e contra a família) tramitando no Congresso. Por isso solicitamos ampla divulgação do I Congresso Internacional em Defesa da Vida, que acontecerá em Aparecida do Norte no período de 06/02 a 10/02/2008. As inscrições para o I Congresso Internacional em Defesa da Vida poderão ser feitas pelo e-mail: hrneryprovida@uol.com.br. Outras informações e programação constam no site www.diocesedetaubate.org.br. Como faço para o envio do programa, o cartaz do mesmo e a ficha de inscrição? Deus o abençoe

Tonny disse...

Este seria o melhor termo para designar "aborto". Os mentores desta criminosa idéia se encontram numa situação em que: de um lado, os cega a fé num Deus da vida, da esperança e do amor; de outro, "iluminados" por satã, que quer destruir as obras de Deus utilizando-se de mentes fracas espiritualmente falando, e corações endurecidos pela incapacidade de legislar com integridade moral. Não enxergam as conseqüências trágicas como a desvalorização da vida, pois não encontrarão soluções sem Deus em seus próprios valores; são desajustados, inseguros, comprometidos com um sistema que não leva em conta o ser humano no sentido mais amplo da palavra, mas sim no sentido comercial e material. Suas crenças se baseiam numa antí-religião ou antí-cristo: consumir, corromper, matar...
O poder de persuasão é grande: querer convencer que a saída é esta - "matar o problema", nunca encarar de frente as situações. O príncipe da mentira está com eles. Uma conversão sincera os faria mudar de idéia, e ao invés de aborto, teríamos soluções realmente cristãs, responsáveis e eticamente corretas. Jesus veio para dar a vida não para detê-la; perdoar, não matar; instruir para o amor, mesmo que seja difícil amar às vezes. O preço deste crime é uma só: negar a misericórdia de Deus significa apoiar, aderir num todo, os projetos do demônio. Somos filhos de Deus... quem será do diabo?