7 de novembro de 2016

TERREMOTOS E CASTIGOS DIVINOS

Uma das cenas desoladoras do forte terremoto (6,2º) que atingiu o centro da Itália, em 24 de agosto último. Acima, a cidade de Pescara del Tronto.

Roberto de Mattei 

A partir de 24 de agosto deste ano a Itália foi sacudida por uma série de terremotos violentos que, transcorridos dois meses, não dão sinal de diminuir. São milhares, segundo os sismólogos, com intensidade e magnitude diversas. Até o momento eles provocaram um número limitado de vítimas, mas sérios danos a igrejas e edifícios públicos e privados, despojando dezenas de milhares de italianos de seus bens e de suas casas.

O terremoto de 30 de outubro, o mais grave desde o de 24 de agosto, foi sentido em toda a Itália, de Bari a Bolzano, e teve seu símbolo no colapso da Basílica de Núrsia [foto abaixo]. A notícia de sua destruição correu o mundo. Construída sobre o local de nascimento de São Bento, dela restou apenas uma frágil fachada. Todo o resto desapareceu em uma nuvem de poeira. Muitos meios de comunicação, como a CNN americana, enfatizaram a natureza simbólica do acontecimento, exibindo a imagem da catedral desmoronada na página inicial de seus sites. 
Em Núrsia, a Basílica antes e depois do terremoto do dia 30 de outubro
Houve um tempo em que os homens eram capazes de ler as mensagens de Deus em todos os acontecimentos que escapavam à vontade deles, cada um dos quais tem um significado expresso na linguagem do símbolo, que não é uma representação convencional, mas a mais profunda expressão do ser das coisas.

O racionalismo moderno, de Descartes a Hegel e de Marx ao neocientificismo, quis racionalizar a natureza, substituindo a verdade do símbolo pela interpretação puramente quantitativa da natureza. O racionalismo está hoje em crise, mas, abeberando-se em suas fontes intelectuais, do nominalismo ao evolucionismo, a cultura pós-moderna criou um novo sistema simbólico que, ao contrário dos antigos sistemas, não se reporta à realidade das coisas, mas a deforma como num jogo de espelhos. O código simbólico que se exprime em todas as formas de comunicações pós-modernas, dos tweets aos talk-shows, visa criar emoções e despertar sentimentos, recusando-se a compreender a razão profunda das coisas. 


A Basílica de Núrsia [foto ao lado], por exemplo, é um símbolo da arte, da cultura e da fé, cuja destruição evoca para os meios de comunicação a perda do patrimônio artístico da região central da Itália, mas não a imagem do colapso da fé ou dos valores fundamentais da civilização cristã. 

Por exemplo, embora o vocábulo “terremoto” seja usado na linguagem cotidiana para indicar transtornos culturais e sociais, para a mídia ele nunca pode significar uma intervenção divina, porque Deus só pode ser apresentado como misericordioso, jamais como justo. 


Os que falam de “castigo divino” incorrem imediatamente na difamação da mídia, como aconteceu com o Padre Giovanni Cavalcoli [foto], cujas recentes palavras na Rádio Maria foram definidas pelo substituto da Secretaria de Estado, Mons. Angelo Becciu, como “declarações ofensivas aos crentes e escandalosas aos não crentes”

Mas, se há escândalo, é aquele causado pela tomada de posição do prelado vaticano, que demonstra ignorar a teologia católica e o ensinamento dos Papas, como Bento XVI, que na audiência de 18 de maio de 2011, falando sobre a oração de intercessão de Abraão por Sodoma e Gomorra, as duas cidades bíblicas punidas por Deus pelos seus pecados, afirma:
“O Senhor estava disposto a perdoar, desejava fazê-lo, mas as cidades estavam fechadas num mal totalizador e paralisador, sem sequer poucos inocentes, a partir dos quais começar para transformar o mal em bem. Pois é precisamente este o caminho da salvação, que também Abraão pedia: ser salvos não quer dizer simplesmente evitar a punição, mas ser libertados do mal que habita em nós. Não é o castigo que deve ser eliminado, mas o pecado, aquela rejeição de Deus e do amor que já traz em si o castigo. O profeta Jeremias dirá ao povo rebelde: ‘Valeu-te este castigo a tua malícia, e as tuas infidelidades atraíram sobre ti a punição. Sabe, portanto, e vê como te foi funesto e amargo abandonar o Senhor teu Deus’” (Jr 2, 19).” 
Como esquecer que entre agosto e setembro de 2016 foram celebradas na Itália as primeiras uniões civis? “Reconstruiremos tudo”, disse o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi. 

Mas, em 23 de julho de 2016, o mesmo Renzi apôs sua assinatura no decreto de aplicação da Lei nº. 76/2016, ou Lei Cirinnà, que legaliza o casamento homossexual na Itália. Esta lei é um terremoto moral, porque abate as paredes da lei divina natural. Como imaginar que essa lei calamitosa seja privada de consequências? Aqueles que não renunciaram ao bom senso percebem-no imediatamente. Hoje o homem se rebela contra Deus e a natureza se rebela contra o homem. Ou melhor, o homem se rebela contra a lei natural, que tem o seu fundamento em Deus, e a desordem da natureza explode.

A lei Cirinnà não destrói as casas, mas a instituição da família, produzindo uma devastação moral e social não menos grave do que aquela material causada pelo terremoto. Quem pode negar-nos o direito de pensar que a desordem da natureza é permitida por Deus como consequência da negação da ordem natural praticada pelas classes dirigentes do Ocidente? E, uma vez que os símbolos permitem diversas leituras, como culpar aqueles que veem na fachada de uma basílica o símbolo daquilo que hoje, sob o aspecto humano, parece restar da Igreja Católica: uma pilha de escombros? As declarações de Mons. Becciu, um dos colaboradores mais próximos do Papa Francisco, são a expressão de um mundo eclesiástico em ruínas que atrai sobre si outras ruínas. 

Da promulgação da Exortação Amoris Laetitia às honras prestadas a Lutero em Lund, o Papa Francisco certamente não ajudou a restaurar a ordem neste mundo em frangalhos. 

O Papa repetiu que não se devem construir muros, mas derrubá-los. Pois bem, as paredes colapsam, mas com elas desmoronam a fé e a moral católica, rui a civilização cristã, que em Núrsia, local de nascimento de São Bento, tem o seu berço simbólico. 


Ainda assim, se a basílica caiu, a estátua de São Bento permaneceu de pé, no centro da praça em frente. Em torno dela reuniu-se um grupo de monges, freiras e leigos, rezando o terço [foto ao lado]. Esta é também uma mensagem simbólica, que nos fala da única reconstrução possível: aquela que se faz de joelhos, rezando. 

Além da oração, deve também haver ação, luta, testemunho público da própria fé na nossa Igreja e na civilização cristã, que ressurgirão dos escombros. Nossa Senhora o prometeu em Fátima. Mas antes do triunfo do Coração Imaculado, a Santíssima Virgem também previu um castigo planetário para a humanidade impenitente. Devemos ter a coragem de lembrá-lo.

______________ 

(*) Fonte: “Corrispondenza romana”, 5-11-16. Matéria traduzida do original italiano por Hélio Dias Viana.

3 comentários:

Isac disse...

Os abalos sísmicos poderiam serem avisos e provirem de afrontas ao Senhor Deus e aos seus Mandamentos, sucedendo isso logo na Italia, país de ex católicos, que vivem em meio a tantos santos e recorrente milagres portentosos, mesmo assim, tão incrédulo e material-ateísta.
Talvez a Italia seria o grande centro de bruxaria e esoterismo na Europa, mostrando que como o diabolismo arraigou-se, avaliando o grau do relativismo em que o povo incidiu!
De igual forma, a Italia está receptiva aos mais ferrenhos inimigos da Igreja, as hostes muçulmanas e futuros algozes dos anfitriões – além de que não teria havido uma forte advertencia ao povo e repressão sistemática à abominável prática do homossexualismo de parte do Vaticano contra os impostores dessa notoria perversão, assim estaria facilitando a destruição das familias e sujeitando-se a evntuais castigos!
Que os pecados de um povo, particularmente do seu clero atraem severos castigos sobre uma nação é fato consumado:
*“Saiba ainda que a Justiça Divina costuma descarregar castigos terríveis sobre nações inteiras, não tanto pelos pecados do povo quanto pelos dos Sacerdotes e religiosos, porque estes últimos são chamados, pela perfeição de seu estado, a ser o sal da Terra, os mestres da verdade e os pára-raios da Ira Divina” (II, 186).
* N Senhora do Bom Sucesso.

Paulo Roberto Campos disse...

A propósito desse tema sobre pecados que podem atrair castigos Divinos, recebi de um colega o texto abaixo. Aqui o transcrevo, pois julgo muito esclarecedor do tema. Foi extraído da Encíclica "Sapientiae Christianae" de Leão XIII (10-1-1890):

Da nação dos judeus disse a Sagrada Escritura: “Enquanto não pecaram contra o seu Deus, eram felizes; porque o seu Deus aborrece (odeia) a iniquidade [...]; mas quando se desviaram do caminho que Deus lhes tinha mostrado (...) foram dispersos em batalhas por diversas nações” (Judit. 5, 21-22). Ora, a nação judaica era como um esboço do povo cristão e as suas vicissitudes passadas prefiguravam muitas vezes a verdade futura, com esta diferença que a Bondade divina nos avantajou e enriqueceu de muito maiores benefícios, e que por isso mesmo os pecados dos cristãos são agravados com o crime de ingratidão.

A Igreja, por si, nunca e de modo nenhum é desamparada de Deus, e portanto nada tem que temer da iniquidade dos homens; mas as nações que vão degenerando da virtude cristã, não podem contar com a mesma segurança. “O pecado faz miseráveis os povos” (Prov. 14, 34). E se todas as idades passadas têm experimentado em si a força e verdade desta sentença, por que não havia de experimentá-la a nossa? Antes muitos indícios nos advertem que o merecido castigo está sobre nossas cabeças, e a mesma condição dos Estados modernos o confirma, pois os mais deles nós os vemos consumidos de males intestinos, mas em segurança perfeita não vemos nenhum. Se as facções dos maus continuarem com audácia no caminho encetado, se, como com suas más artes e piores tensões vão grassando, assim chegarem a crescer em poder e influência, muito é de recear que venham a demolir, pelos fundamentos que a natureza assentou, todo o edifício social.

Para evitar perigo tão formidável não bastam os recursos humanos por si sós, mormente porque um grande número de homens, por terem repudiado a fé, estão sofrendo o justo castigo de seu orgulho ao andarem cegos das paixões a procurar em vão a verdade (e encontrar) o erro; ao terem-se em conta de sábios, "quando ao mau chamam bom, e ao bom mau", quando "põem trevas por luz e luz por trevas" (cf. Is. 5, 20) (in "Catolicismo", nº 158, fevereiro de 1964).

Marcos Costa disse...

Dizer que Deus nao castiga os homens e' negar as Sagradas Escrituras, negar a historia da Igreja e da Civilizacao. Somente os atuais clerigos progressistas -- porque perderam a Fe' -- negam que Deus intervem na Historia.CostaMarques