4 de janeiro de 2014

Magnificat pela Croácia!

A histórica vitória no referendo croata foi um exemplo para todas nações. O resultado das urnas, que garante proteção constitucional à instituição da família tradicional, não agradou o Parlamento Europeu.

Paulo Roberto Campos

Podemos cantar um Magnificat pela católica Croácia! Este pequeno país balcânico pronunciou um rotundo NÃO ao “matrimônio” entre duplas do mesmo sexo. Seu brado em prol da família natural e tradicional — pai, mãe e filhos — ecoou pelos quatro cantos do mundo. Com o resultado do referendo, transcorrido no dia 1º de dezembro, fica estabelecido na Constituição do país que a família somente pode ser constituída entre um homem e uma mulher. Nada mais natural! 

O presidente croata, Ivo Josipovic, e seu primeiro-ministro Zoran Milanovic, ambos socialistas, pretendiam aprovar o “casamento” homossexual. Em tal intento, foram apoiados pelos partidos de esquerda, pelo lobby homossexual e pela mídia esquerdista, especialmente pela TV estatal — sem falar da forte pressão exercida no mesmo sentido pelo Parlamento Europeu. 


Do lado oposto, católicos defensores dos valores da família,

mediante mobilização inédita, aglutinaram quase seis mil voluntários numa coligação denominada “U Ime Obitelji” (Em nome da Família), a fim de coletar assinaturas e obrigar o governo a realizar um referendo consultando a população croata: “Você é a favor à introdução na Constituição da definição de matrimônio como a união entre homem e mulher?”

Para a realização do referendo havia necessidade, segundo as leis vigentes, de 450 mil assinaturas (10% do eleitorado croata). Obteve-se um resultado bem superior às expectativas: 750 mil firmas! O que representa muito para um pequeno país de 4,3 milhões de habitantes (88% dos quais são católicos). Assim, o Parlamento teve que aprovar a convocação do referendo. 

No histórico dia 1º-12-13 a população foi às urnas. Resultado: a grande maioria dos croatas (65,8%) votou contra o “casamento” homossexual e manifestou-se favorável à definição de família como constituída exclusivamente entre homem e mulher. Venceu o bom senso, preponderou a Lei de Deus e a Le natural! 
Celebração da vitória pró-Família
Democracia sem consulta popular? 
A Croácia tornou-se o 28º membro da União Europeia (UE) em 1º de julho de 2013 e, graças a Deus, já cravou uma certeira flecha na Revolução Cultural promovida pela UE — que pressiona as nações para a legalização do “matrimônio” homossexual e da adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo. Tanto a UE quanto certa mídia, que fez intensa campanha contra a realização do referendo, ainda não conseguiram “engolir” o resultado que concede proteção constitucional à família. 

Os leitores bem podem imaginar o que aconteceria se vencessem os partidários do pseudo-casamento entre pares do mesmo sexo... Esses mesmos meios de comunicação, que adotam estranho conceito de democracia, estariam até hoje publicando grandes manchetes como “Vitória da democracia na Croácia!”. Para eles, democracia existe quando o povo escolhe pontos da agenda homossexual; quando o mesmo povo rejeita tal agenda, a mídia abafa o resultado e o critica como “homofóbico”... 
Túmulo do Bem-Aventurado Cardeal Aloysius Stepinac na catedral de Zagreb
“Rezar para sempre no Céu por todos vós” 
Poder-se-ia perguntar se o grande prelado croata, o bem-aventurado Cardeal Aloysius Stepinac (1898-1960), mártir do regime comunista iugoslavo, não foi o intercessor junto a Deus para que se alcançasse tão esmagadora vitória da família tradicional. Com efeito, em seu Testamento Espiritual, o heroico cardeal deixou registrado: “Espero que o misericordioso Jesus me dará a graça de poder rezar para sempre no Céu por todos vós, enquanto existir o mundo e durar a nossa diocese, para que se cumpra a meta pela qual Deus vos criou.” 

No passado, a Croácia foi conhecida como Escudo da Cristandade, devido à sua glória de defender a Europa contra invasões maometanas. No presente, poderíamos considerá-la como Escudo da Família. Que seu exemplo possa ser seguido no Brasil e no mundo! 

Atualmente, o “casamento” homossexual, ou pelo menos a “união civil”, tem sido aprovado por decisão judicial nos tribunais de várias nações, pois os promotores do movimento homossexual sabem que, se forem realizados referendos, serão rejeitados, ficando evidenciada uma verdade que eles não querem encarar: o povo, de modo geral, é contrário a tal legalização! Por isso, a UE é contrária à consulta popular... Isto é democracia?! 


Zeljko Markić, líder da coligação
“Em Nome da Família”
A pequena, mas gloriosa e católica Croácia já começa a receber pressões internacionais para deslegitimar o resultado das urnas e reverter a situação atual pró-família. Será uma dura luta entre David e Golias, mas, no final, Deus nos dará a vitória. 

Um comentário:

NEREU.PEPLOW_ADVOCACIA&AIKIDO disse...

Um dia, não muito distante, esse "reinado" da esquerda, esse ídolo de cabeça de ouro e pés de barro, terá um fim vergonhoso e desonroso. Basta o povo despertar da modorra em que foi mergulhado... aos poucos isso está acontecendo. Então o Imaculado Coração de Maria triunfará.