2 de dezembro de 2013

Adeptos da “familiafobia” insistem em aprovar a “lei da homofobia”

Manifestação em Brasília, em junho de 2011, contra o PLC 122

Paulo Roberto Campos
prccampos@terra.com.br

Soube que no próximo dia 4 (quarta-feira), além da importante audiência de que falamos no post anterior (abaixo), certamente será DE NOVO posto em votação o tristemente afamado PLC 122 — a “lei da homofobia”, também mal-afamada como “lei da mordaça homossexual”, ou “lei do zípper”. 

Isto porque, à pretexto de uma ação “anti-homofobia” (na realidade uma ação anti-família), pretende-se abolir a liberdade de expressão de se manifestar em defesa da Lei de Deus que condena o homossexualismo. Pretende-se impor aos brasileiros — que consideram o homossexualismo uma afronta à ordem natural das coisas e ao nosso Criador — a ditadura homossexual. Obrigando, por exemplo, os professores a ensinar às nossas crianças a “ideologia de gênero”, ou seja, que elas podem optar por algum outro gênero, escolher ser masculino ou feminino, ou fazer a opção por algum “gênero” diferente... Um incentivo aos pequenos à prática homossexual!

No dia 20 de novembro último, o tal PLC foi retirado de pauta na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH). Certamente devido às manifestações contrárias, provenientes de várias partes do Brasil, que estavam chegando ao Congresso Nacional. 

Entretanto, parlamentares que estão a serviço do lobby homossexual voltam à carga nesta semana para ver se conseguem, neste fim de ano, aprovar o PLC 122. 

Já que os “familiofóbicos” insistem no absurdo projeto, vamos também insistir no seu engavetamento. Assim, pedimos que nossos leitores voltem a telefonar para o Senado. A ligação é gratuita. Proteste contra o PLC 122. Peça seu definitivo arquivamento! Mande-o para a lata de lixo!
Telefone agora mesmo: 
0800 61 22 11 
Só descansaremos quando o PLC 122 estiver definitivamente arquivado, jogado no lixo. O lobby do movimento homossexual, que prega fanaticamente a repugnância aos valores morais que regem a instituição da família, não pode ter voz nem vez, pois atenta contra Deus e seus ensinamentos. 
____________
PS: Aqueles que desejarem conhecer melhor o quanto o PLC 122 representa de ameaça à Família, aconselho a leitura de outros posts. Para isso, click em “Lei da Homofobia”, no SUMÁRIO que se encontra abaixo, na coluna da direita.

2 comentários:

Lister Leão disse...

A própria criminalização da homofobia é, de fato, homofóbica, pois sendo fato que a maioria dos casos de violência contra homossexuais são causados por homossexuais, restaria que esse grupo, em particular e quase que exclusivamente, seria perseguido pela polícia/justiça no combate a esses crimes supostamente homofóbicos. Com efeito, quando o Estado combate a "homofobia" com base nas estatíticas dos crimes contra homossexuais, tem como agentes dos crimes, na grande maioria das vezes, os homossexuais que pretende proteger. Ou seja, criminalização da homofobia é falácia.

Paulo disse...


Renan
O seu comentário está aguardando moderação.

04/12/2013 às 06:17

IDEOLOGIA DO GÊNERO, ALÉM DE SER MONTAGEM DE LABORATORIOS DE REENGENHARIA SOCIAL COMUNISTAS, TEM COMO OBJETIVO DESTRUIR A FAMILIA!
É a ideologia em que o aspecto biológico dos seres humanos é algo considerado indiferente, irrelevante.
Eis pois a IDEOLOGIA DO GÊNERO que percebe a diferença biológica quase como uma provocação ao confronto – ideias burguesas – não como um chamado à complementariedade entre homem e mulher secularmente reconhecidos como tal – classificar pessoas em homossexuais e heterossexuais é algo recente no mercado das satanistas ideias – sendo essa última classificação duvidosa, pois equipara no mesmo nível uma até então tida como anomalia sexual com normalidade sexual, como se ambos estivessem no mesmo patamar.
Isso nada é mais ou menos que um esquema dos marxistas para relativizarem a população; uma dissimulação para não dizerem que a meta é a destruição da família, já que os comunistas são naturalmente hipócritas, dissimulam sempre suas intenções, vivem de subversão e uma população relativizada sem referencias familiares – criada como em granjas de reprodução humana sob o ateísmo – será mais fácil para eles dominarem.
A falsa premissa de que o gênero seja uma “construção social, de burguesia” e não biológica é cabível apenas nas dementes mentalidades de marxistas e, se o projeto for aprovado mesmo com as dissimuladas modificações propostas, facilitará bastante para chegarem oportunamente aonde querem!
Convém recordar que os católicos(?) eleitores do PT estão por detrás disso, acobertam, compartilham e prestarão contas de se associarem aos desafios dos comunistas à doutrina de Jesus Cristo!